OUTROS DESTAQUES
TV por assinatura
Tributação sobre serviços de streaming promete briga entre estados e municípios em 2018
terça-feira, 07 de novembro de 2017 , 19h42

Enquanto o governo discute ainda os princípios do que pretende fazer em relação ao ambiente normativo dos serviços de vídeo-sob-demanda, 2018 promete ser um ano de intensas disputas sobre o mesmo tema, mas na esfera tributária. Tudo isso por conta da expectativa de entrada em vigor da Lei Complementar 157/2016, que estabelece claramente a incidência do ISS (tributo municipal sobre serviços) sobre a "disponibilização, sem cessão definitiva, de conteúdos de áudio, vídeo, imagem e texto por meio de Internet, respeitada a imunidade de livros, jornais e periódicos (exceto a distribuição de conteúdos pelas prestadoras de Serviço de Acesso Condicionado, de que trata a Lei 12.485/2011, sujeita ao ICMS)". Ou seja, a lei deixa claro que serviços como Netflix, Spotify, Amazon Prime Video e similares recolhem ISS, e não ICMS.

Promessa de conflito

O tema foi discutido nesta terça, dia 7, no Seminário Internacional ABDTIC, organizado pela TELETIME em conjunto com a Associação Brasileira de Direito das Tecnologias da Informação e das Comunicações.
A Lei Complementar, destacou o advogado Luiz Peroba, sócio do escritório Pinheiro Neto, é uma das poucas legislações tributárias que estão sendo positivamente aguardadas pelas empresas, por disciplinar uma área cinza e dar clareza sobre a quem cabe a tributação. Mas os motivos de comemoração param por ai. Para o assessor especial da Secretaria de Fazenda do Município de São Paulo, Alberto Macedo, é muito provável que os Estados forcem a cobrança do ICMS sobre estes serviços. Especificamente no caso do Estado de São Paulo, onde estão hoje a sede das principais empresas de streaming, há o Decreto 61/2016 que salvaguardava temporariamente a cobrança do ICMS sobre serviços de streaming até a definiçÃo do fato gerador, o que parece ter sido esclarecido pelo Convênio ICMS 106 de 29 de setembro de 2017, editado pelo Confaz, e que prevê a tributação estadual "sobre a venda ou disponibilização, ainda que por intermédio de pagamento periódico, de bens e mercadorias digitais mediante transferência eletrônica de dados". Em Minas Gerais já há uma legislação estadual no mesmo sentido.
Para Macedo, é improvável que os estados abram mão de cobrar sobre empresas de streaming de vídeo, considerando a similaridade do serviço prestado ao serviço tradicional de TV por assinatura. Para ele, é necessário que os municípios se movimentem para defender, na Justiça, o direito dado pela Lei Complementar 157/2016. A cidade de São Paulo, que está em processo final de regulamentação estadual da lei, deve cobrar um ISS de 2,9% sobre serviços de streaming. Segundo Alberto Macedo, a expectativa é de sanção da lei aprovada na assembleia legislativa sobre o tema nos próximos 15 dias.

Assimetria

Além da reação dos Estados, a nova legislação, mesmo prevendo o ISS, cuja alíquota é menor do que a do ICMS, acaba criando uma assimetria em relação aos serviços de TV paga por tecnologias tradicionais, já que a única coisa que diferencia o serviço de SeAC para o serviço de streaming, nesse caso, é o suporte de distribuição ser a Internet. Macedo reconhece que no caso de operadoras de TV paga tradicionais passarem a oferecer os mesmos canais no modelo OTT, distribuídos pela Internet (a Oi já tem ofertas nestas condições, por exemplo), será mais um ponto de atrito e questionamento com os Estados.
Daniela Lara, advogada e coordenadora do comitê tributário da ABDTIC, lembra que a jurisprudência tributária não consegue acompanhar a tecnologia. Para Peroba, por esta razão é tão importante que a relação de serviços tributáveis pelo ISS seja atualizada com maior frequência, por meio do legítimo processo legislativo.
Outro problema é a tributação dos serviços de VOD das operadoras de TV por assinatura, que podem trafegar pelas redes tradicionais de TV paga mas também serem oferecidos pela Internet a dispositivos móveis, TVs conectados etc.
Segundo Alberto Macedo, se é verdade que os serviços de streaming se assemelham aos serviços de TV paga no modelo por assinatura e que isso poderia gerar questionamentos dos Estados, também é verdade que eles se assemelham ao modelo de cinema e homevideo no modelo transacional (pagamento por título), tipicamente tributados pelo ISS. Para ele, é bastante provável que as empresas se vejam forçadas a recolher um dos tributos (possivelmente o ISS, menor) e disputem o outro (ICMS) na Justiça.
Lembrando que não é apenas o serviço de streaming que é afetado pela Lei Complementar 157/2016. Toda a cadeia de software, armazenamento de dados, hospedagem, jogos eletrônicos, apps e publicidade online é afetada e passa a ser enquadrado como serviço, passível portanto de tributação por ISS. "Havia uma situação de penumbra e a Lei Complementar ajudou a esclarecer", diz Alberto Macedo. O debate aconteceu no Seminário Internacional ABDTIC, realizado esta semana, em São Paulo.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top