NEC se coloca no papel de integradora no ambiente 5G

Angelo Guerra, VP da NEC Brasil. Foto: Divulgação

A virada para o 5G tem movimentado operadoras e fornecedores, e uma vertente importante de negócios começa a se desenhar: a figura do integrador de negócios e soluções. A NEC se prepara para atuar nessa frente, à medida que o 5G avance. A empresa tem soluções tradicionais de rede 5G no Japão, mas por uma questão das especificidades de espectro daquele país, a prioridade não é atuar como fornecedora de rede no Brasil. O que não quer dizer que a experiência japonesa não será útil. Ângelo Guerra, vice-presidente da empresa, explica que o 5G é muito mais do que uma simples migração de tecnologia de acesso móvel, e tem implicações que vão além das empresas de telecomunicações.

"Vemos o 5G como uma revolução muito mais ampla, que vai além da questão das velocidades e frequências. É uma transformação, um novo sistema de comunicação, que afeta várias verticais de negócio", diz o executivo. "Acredito que o modelo é de parcerias. O 5G não é só throughput, mas tem questões de backhaul, de segurança de rede, de virtualização, processamento em borda, as aplicações específicas para cada mercado… Tudo isso precisa se preparar para o 5G e isso tudo precisa ser integrado e gerido", diz, colocando-se nesse papel de "ponte entre a conectividade e os clientes". Para a NEC, a rede 5G será um serviço nesse complexo ambiente de soluções integradas.

Guerra percebe que as operadoras já iniciaram um movimento no sentido de virtualizarem suas redes e prepararem o ambiente para o 5G, mas que o mercado está aberto a novos entrantes também. Para ele, um paradigma importante será a entrada da Rakuten no mercado japonês com a rede 5G. A empresa atua apenas como MVNO hoje, mas decidiu por ter uma rede própria só 5G. "Há ainda uma evolução significativa das plataformas abertas (OpenRAN), que facilita."

Green field

A parceria da NEC com a companhia de comércio eletrônico já vinha do fornecimento da integração de BSS e OSS. Desde outubro, a Rakuten já atua como MVNO, e o plano é de lançar 5G com as faixas de 28 GHz e de 3,7 GHz no ano que vem com equipamentos de rede e solução OpenRAN da fornecedora japonesa. Para a diretora geral da divisão de soluções para provedores de serviço da NEC, Mayuko Tatewaki, o caso é especial porque a Rakuten é uma operadora "Green Field", isto é, um novo player começando do zero, enquanto as outras três teles japonesas – NTT Docomo, KDDI e Softbank – são incumbents. "Eles têm uma grande vantagem de não ter legado", declarou a executiva a este noticiário. Especialmente porque isso permite já ir se preparando para a quinta geração, como a virtualização do core e de funções de rede. 

Segundo Tatewaki, não é necessário ser um novo entrante para tomar proveito da virtualização na rede no padrão aberto da OpenRAN. Basta tomar uma decisão estratégica. "Se quiser, claro que pode virtualizar, mas é uma grande mudança e um grande passo para as operadoras existentes", afirma, lembrando que haverá a necessidade de reestruturação operacional. A questão é que isso poderá ter de acontecer, cedo ou tarde. "É uma decisão que eu acho que os clientes têm de fazer. Porque realmente a briga é com o Facebook e Google. Se quiser brigar com esse pessoal de TI, então você terá de realmente ser ágil e tentar virtualizar a infraestrutura, tornando-a mais flexível".

A flexibilidade vem também na possibilidade de se trabalhar com mais de um fornecedor. Com o OpenRAN, a operadora tem a chance de escolha de parceria com um cenário multivendor. "Posso escolher determinado rádio para minha rede, mas para outra frequência, eu posso escolher este novo equipamento com a rede aberta", diz. "Não importa se tem legado ou é Green Field, [a tendência é] ir para a rede aberta."

O caso da Rakuten tem sido tratado como uma espécie de benchmark da nova abordagem de operação e infraestrutura virtualizada para possibilitar a chegada do 5G. Além do aspecto técnico, a empresa está angariando a própria base de clientes do e-commerce oferecendo preços mais competitivos, permitindo um começo completamente atípico para uma tele. Tatewaki analisa que a indústria está "observando atentamente" os resultados da operadora no mercado japonês, bem como se a estratégia é efetiva. Em todo caso, a NEC também trabalha com as outras teles tradicionais naquele país, incluindo em 5G: a fornecedora já testava a tecnologia com a NTT Docomo em meados de 2013. 

Perguntada se a possibilidade de virtualização de funções e de core de rede poderia ser uma forma de competir com os equipamentos chineses, Mayuko Tatewaki diz que a adoção do OpenRAN pode ser mais viável economicamente, mas tenta afastar o aspecto de competição. Contudo, ela não cita a Huawei, mas diz que é uma questão de escolha. "Se você quer depender de um único fornecedor, pode ir fundo da plataforma de TI até a rede móvel de acesso. Se quiser, pode ter a escolha entre diferente coisas alocadas abertamente", compara. "Não é sobre ir contra a China, mas é uma forma de fazer mais para novas e menores operadoras." 

Parece um tipo de solução que se adequaria ao cenário brasileiro, sobretudo se considerar a presença de provedores regionais como novos entrantes no mercado móvel. Tatewaki diz que discussões com "algumas companhias" sobre a estratégia de virtualização e OpenRAN estão acontecendo no Brasil, mas ela não pode esclarecer com quem ou se são novos ou antigos players. Entretanto, afirma que o contexto é o de esperar a definição do leilão de espectro em 5G, que pode ou não acontecer ainda em 2020.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.