Sociedade 5.0 aposta na inovação humanizada

As novas políticas públicas do governo brasileiro tratam de aplicações em Indústria 4.0, mas o conceito de Sociedade 5.0 ainda parece um pouco distante da realidade local. Durante o último painel da Futurecom nesta quinta-feira, 31, especialistas de diversas indústrias de tecnologia mostraram uma tendência de humanização, inclusive na conectividade. A head global de negócios de provedores de serviços da NEC, Mayuko Tatewaki, ressaltou que o 5G já está presente em 38 redes no mundo, e que a tecnologia vai acelerar a transformação digital. Mas ressalta que a empresa tem uma visão para além da rigidez técnica. "A NEC acredita na abordagem humanizada para a tecnologia, na qual a cultura das companhias deveriam ser sustentáveis para a sociedade', declara. Ela cita as "leis da robótica" do escritor de ficção científica Isaac Asimov, afirmando que, no contexto atual, seriam questionáveis. "Elas são suficientes? A inteligência artificial se desenvolve tão rápido, e talvez os humanos precisem endereçar mais como usam a tecnologia e seguir adiante."

A diretora de estratégia e parcerias da Dutch Blockchain Coalition, Marloes Pomp, explica que a estratégia nacional holandesa tem como visão central o usuário. O governo daquele país construiu uma colaboração público-privada para um projeto nacional de blockchain, que tem uma agenda voltada a identidade digital, logística, administração de previdências, certificados e diplomas educacionais e compliance. "Na China o governo controla os seus dados, nos Estados Unidos, as companhias é que controlam. Estamos tentando construir uma tecnologia para os cidadãos deterem os próprios dados, e não o governo", afirma. 

O diretor de marketing para a América do Sul da General Motors, Hermann Mahnke, explica que a fabricante de carros também está trabalhando com uma visão de futuro menos focada no automóvel, e mais nos serviços prestados aos usuários. A empresa trabalha com os pilares do zero triplo: com zero acidente, zero emissão e zero congestionamento. Para tanto, aposta em carros autônomos "já nos próximos meses" para eliminar acidentes, compartilhamento de veículos para reduzir o tráfego e automóveis elétricos (sem passar pelos modelos híbridos ainda com combustíveis fósseis) para reduzir as emissões.

Governo no centro de tudo

Essas iniciativas contrastam com a visão do governo brasileiro. O secretário de governo digital do Ministério da Economia, Cristiano Lamberti, afirmou em livre associação que todos os casos antes citados no painel tinham em comum o elemento público. "O governo é a única entidade que não é consumidora, mas está presente em todas as considerações", argumenta. Em sua fala, a ideia foi de promover a Estratégia de Transformação Digital brasileira, lançada ainda na gestão Michel Temer, em 2018. "Queremos uma economia fortemente baseada em dados, mas com segurança jurídica. Que crie novos negócios a cada dia, e que tenhamos modelos de regulação e operação em um mundo de dispositivos conectados na IoT e com o 5G gerando riqueza", analisa. Ele procurou ainda citar medidas de digitalização para até o fim do mandato, como a migração de serviços públicos para canais digitais, consolidação da presença digital (redução de 1.500 sites gov.br para apenas um "grande marketplace") e a nova identidade digital, considerada "uma das de que mais pode gerar valor econômico no mundo". 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.