Revisão do PGO perde sentido sem aprovação do PLC 79, diz Anatel

Não há definição para a proposta da revisão do Plano Geral de Outorgas (PGO) sem a aprovação do PLC 79/2016, que autoriza a migração das concessões de telefonia fixa para autorizações. A afirmação é da superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, Lúcia Bardi, que comandou, nesta terça-feira, 30, mais uma audiência pública sobre o tema. Segundo ela, o texto foi elaborado com base no projeto de lei, que está parado no Senado Federal, por força de decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e pelo desinteresse do presidente da Casa, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), em dar andamento à proposta.

Sem o projeto, a SPR reunirá as contribuições obtidas e enviará propostas de encaminhamento ao Conselho Diretor da agência, que decidirá o que fazer, afirma Lúcia. Ela, entretanto, entende que a agência deve indicar um novo caminho para as concessões. "O saldo das concessões estão sendo reduzidos a cada ano e a Anatel pode ser responsabilizada por isso", argumenta.

Mesmo sem definição sobre o PLC 79, a consulta pública do novo PGO não será prorrogada e se encerrará no dia 10 de junho. "O tema já foi discutido à exaustão nesses mais de cinco meses de prazo de contribuição", afirmou.

Audiência 

Na audiência pública deste terça-feira, operadoras apresentaram sugestões de alteração à proposta do PGO, mesmo sem a convicção de que ela vá adiante. O representante da Telefônica, por exemplo, defendeu que o processo de migração das concessões para autorizações seja de forma mais transparente possível. A concessionária pede também que a regulamentação da migração seja expedida ao mesmo tempo do PGO e que as regras sobre áreas sem competição adequadas sejam evitadas.

O representante da TIM, entende que a regulamentação da migração das concessões para autorização será eficiente se causar a real percepção na sociedade de que não há benefício às concessionárias e se as diretrizes para implantação de infraestrutura promoverem a ocupação de áreas com baixo nível de concorrência. Propõe que as metas estabelecidas para alteração do regime devem prever o compartilhamento das infraestruturas construídas com os investimentos dos saldos dos bens reversíveis. E ainda pediu a ampliação do prazo de contribuição ao PGO, já que o PLC não saiu.

Já o representante da Oi enfatizou a inexistência de prazo para migração de um regime para outro no PLC 79, defendendo que também não deveria haver prazos na regulamentação. "A regulamentação não pode extinguir direitos", sustenta o representante. A concessionária quer que parte dos recursos dos saldos da migração seja usada para financiar banda larga para baixa renda.

A Oi é contra o compartilhamento das infraestruturas implantada com os recursos dos bens reversíveis para além das regras hoje impostas no Plano Geral de Metas de Competição (PGMC). Também defende que a proposta do termo único de autorização só deve ser apresentada após a publicação do PGO, em nova consulta pública. "Por isso, deve ser retirada da atual consulta pública", completou.

O representante da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) lamentou o tratamento que é dado aos telefones de uso coletivo. Segundo a avaliação da entidade, o uso vem reduzindo porque há dificuldades na forma de pagamento, falta higiene e não oferecem outros serviços, como acesso à internet via wi-fi. E defende que as sobras das migrações sejam utilizadas não apenas na construção de rede, mas também de acesso à banda larga por meio de acessos coletivos.

O gerente de regulação da Anatel, Nilo Pasquali, entende que se o PLC 79 for aprovado com alterações a proposta do PGO deve ser analisada e, se for o caso, alterada. No caso de prazo para migração, ele afirmou que poderá impactar nos recursos das metas de universalização se a operação demorar, que poderão ser revertidos em favor da sociedade por meio da revisão tarifária.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.