TIM vê 5G como tecnologia disruptiva, mas que precisa agregar valor à sociedade

Pietro Labriola, CEO da TIM Brasil

A TIM anunciou durante a palestra de seu CEO, Pietro Labriola, durante a Futurecom, ter chegado à marca de 3 mil cidades com cobertura NB-IoT e cobertura de 53% das áreas rurais brasileiras, num total de 5 milhões de hectares.

Mas o avança na cobertura 4G da empresa não significa menor entusiasmo com o 5G. Ao contrário: segundo Labriola, a expectativa da TIM é que a próxima geração seja disruptiva, "habilitadora de novas capacidades e habilidades", segundo o executiva. Mas para ele, é essencial que o 5G seja pensado para trazer riqueza e desenvolver o ecossistema digital brasileiro. Para o executivo, o 5G pode impulsionar o PIB em até 5% num prazo de 15 anos.

Ele destacou que hoje o setor já gera, além dos benefícios à sociedade, quase R$ 600 bilhões em impostos nos últimos 10 anos. Ainda assim, destaca o executivo, é um setor com uma taxa de retorno de 6,8%, desde 2013, menos do que  retorno financeiro da Selic. "Além disso, a tecnologia 5G chega com o 4G ainda em crescimento, o que é um desafio", diz o presidente da TIM. Mas a operadora entende que essa onda não pode ser perdida e é urgente. "A próxima onda é só daqui a 10 anos. A TIM está pronta", disse.

Leonardo Capdeville, CTIO da TIM, enfatizou em um outro painel sobre a importância de que diferentes setores desenvolvam tecnologias baseadas em banda larga móvel, especialmente 5G, "incentivando a aplicação da tecnologia para resolver problemas reais".  Segundo o executivo, a experiência dos testes que a foram realizados em Santa Rita do Sapucaí (MG) foi mostrar que existem dificuldades que podem ser resolvidas com 5G, como a dificuldade de capacitação e a distribuição de mão de conhecimento especializado, como os de medicina, em regiões não assistidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.