Abert prepara censo da radiodifusão no Brasil

A Abert prepara um grande levantamento sobre o mercado brasileiro de radiodifusão. O projeto, apelidado de censo da radiodifusão, está sendo realizado pela associação em conjunto com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), e é cooordenada pelo ex-presidente da Anatel, o economista Luiz Guilherme Schymura.
Segundo apurou este noticiário, trata-se de um projeto de mais de R$ 1 milhão que trará um mapeamento completo das emissoras de rádio e TV do País, consolidando uma série de informações econômicas, operacionais e tributárias. Segundo Daniel Slaviero, presidente da Abert, a pesquisa pretende saber o faturamento das empresas, o número de funcionários, as principais fontes de receitas (incluindo comercialização de espaço não publicitário, como cultos religiosos ou arrendamento de programação), as condições da infra-estrutura, a natureza da programação (que tipos de programas e o percentual de cada gênero), o volume de produção própria, o total de impostos pagos e mais uma série de dados que hoje não existem de forma consolidada.
O projeto foi formatado de tal maneira, diz Slaviero, que a Abert não receberá os dados individuais de cada radiodifusor, já que há preocupação de sigilo. Assim, a única coisa que será conhecida é a consolidação, por municípios e regiões, diz Flávio Cavalcanti Jr., diretor geral da associação. São mais de 5 mil emissoras de rádio e cerca de 400 emissoras de TV. As emissoras educativas e comunitárias não serão incluídas no levantamento. O projeto começa a render os primeiros resultados parciais, de acordo com o cronograma, em abril de 2008, e deverá estar totalmente concluído em setembro do próximo ano. O levantamento junto às emissoras de TV começa imediatamente. Já as emissoras de rádio, cujo mercado é mais complexo e pulverizado, começam a ser pesquisadas em um projeto piloto no Rio de Janeiro, que servirá de base para a formatação da pesquisa para o restante do País. Apesar de ser um levantamento bancado pelos associados da Abert, a pesquisa deve incluir emissoras não associadas, como a Band e a Rede TV, dependendo, é claro, de negociação sobre a confidencialidade das informações.
O objetivo da Abert é ter subsídios para discutir com o governo e com o Congresso mostrando o exato tamanho do mercado de radiodifusão e a realidade das emissoras comerciais de rádio e TV em todos os tipos de municípios e regiões.

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta para Radiodifusores não querem abrir dados econômico-financeiros ao Ministério das Comunicações. » SERT-PR Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.