Segmento B2B é caminho mais provável para entrante no Brasil

A possibilidade da chegada de um entrante no mercado móvel brasileiro a partir do leilão 5G (como ensejado pela Anatel) é vista como pequena por consultores do setor de telecomunicações que participaram de debate no primeiro dia da Futurecom, nesta segunda-feira, 28. Para os especialistas, caso um novo player ingresse no País, será para explorar o mercado B2B.

"Acho pouco provável que tenha um novo player móvel. É cada vez mais difícil considerando cenário no qual perdemos 40 milhões de linhas. Boa parte eram chips subutilizados, mas para quem olhar setor, em termos de varejo massivo, saturou", afirmou o analista principal da Ovum na América Latina, Ari Lopes. "Agora operadoras de nicho no mercado B2B, para aplicações específicas, eu acho que a gente pode ver. Mas ainda assim, tem muita coisa para acontecer para que isso se materialize".

Presidente da consultoria Teleco, Eduardo Tude seguiu linha semelhante e lembrou que o governo já teria realizado outras tentativas (mal-sucedidas) de atração de um quinto player para o mercado móvel. "Mas 5G não é só para o consumidor final. É possível atacar o mercado B2B, principalmente quando tiver o novo código, com [network] slicing e possibilidade de redes privadas para indústrias".

"Na Alemanha está se separando um pequeno espaço do espectro para as redes privadas e nesse espaço pode haver novos entrantes [também no Brasil]. Mas agora, no mercado móvel de consumo, o caminho para mais players é através das MVNOs, que ainda não estão muito desenvolvidos. O incentivo tem que ser nesse sentido", completou Tude.

Vale lembrar que na proposta preliminar apresentada no último dia 17, o conselheiro Vicente Aquino (relator do edital 5G) sugeriu a qualificação do leilão no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) como forma de viabilizar um entrante, inclusive entre players estrangeiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.