AT&T lançará serviço OTT premium com zero-rating e quer canais à la carte na Internet

Já falando como uma empresa só, ainda que sejam necessárias várias aprovações regulatórias e o prazo estimado para a conclusão do negócio seja o final de 2017, a AT&T e e a Time Warner detalharam um pouco dos planos para o futuro próximo da companhia. Durante a conferência WSJD Live, do Wall Street Journal, nesta terça-feira, 25, o CEO da operadora norte-americana, Randall Stephenson, e o CEO da companhia de mídia, Jeffrey L. Bewkes, comentaram sobre o modelo de integração, anunciaram o lançamento de um novo over-the-top (OTT) e da futura rede 5G e até indicaram possível opção de canais à la carte (unbundling).

Para a oferta fixa, a AT&T anunciou para o final de novembro a nova oferta OTT do DirecTV Now, que oferecerá 100 canais por US$ 35 mensais. "Se sempre houve um ambiente que implora por inovação, é este; (e agora) temos 2 milhões de residências que abandonaram o conteúdo premium", diz Stephenson sobre os cord-cutters, os clientes que abandonaram a TV paga. Ele insiste que serão cem canais premium em uma plataforma focada em dispositivos móveis, incluindo "acesso na rede móvel", o que já indica que será ofertado em zero-rating, rivalizando com a ofertas de VODs OTT da T-Mobile. Para manter o preço nessa faixa com o conteúdo premium, ele diz ainda que vai desenvolver novos modelos de negócio com a publicidade.

O executivo garante que o DirecTV Now não seria possível sem o acordo com a Time Warner, mas o empacotamento pode não ser o objetivo final. Com a experiência da companhia de mídia com o HBO Now no mercado de video OTT, os executivos indicaram querer que o usuário tenha acesso a quaisquer canais do grupo em oferta à la carte, podendo ser acessado on-demand.

Stephenson anunciou também que a rede móvel 5G será lançada com velocidade de 1 Gbps em 2018. A esperança é que isso acelere o consumo de vídeo em dispositivos móveis, tornando a AT&T em uma plataforma de vídeo de alcance nacional.

Stephenson garantiu que não há razão para preocupação com a neutralidade de rede, chegando a dizer que essa guerra acabou. "Vocês do Google ganharam, é o fim. Não precisa se preocupar com neutralidade de rede mais", declarou. Da mesma forma, tentou pormenorizar a concorrência entre as over-the-top. "O Netflix provavelmente ficará OK."

Sem problemas regulatórios

O CEO da AT&T se mostrou confiante em receber sinal verde dos reguladores, em particular do departamento de comércio, a Federal Trade Commission (FTC), e da agência reguladora de telecomunicações, a Federal Communications Comission (FCC), dizendo que argumentos de que preços podem crescer são "ignorantes". "Integrações verticais raramente significam que haverá diferença de preço", diz. Ele alega que a fusão será benéfica para os consumidores, podendo oferecer preços baixos como a própria oferta do DirecTV Now por US$ 35.

Na avaliação do executivo, o mercado continuará o mesmo após a transação, até porque a Time Warner será conduzida como uma subsidiária independente. "O acordo era sobre uma coisa: como podemos mudar o ecossistema?", disse Stephenson. "Eu não acho que você pode caracterizar isso (a transação) como defensiva", completou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.