Publicidade
Início Newsletter Fapesp vai investir R$ 60 milhões em centro de pesquisa em Open...

Fapesp vai investir R$ 60 milhões em centro de pesquisa em Open RAN

Da esq. à dir.: o presidente da Embrapii, Chico Saboya, e o diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da Fapesp, Carlos Américo Pacheco

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) vai investir R$ 60 milhões no Centro de Competência em Open RAN (Open Radio Access Networks) da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii). O espaço é gerido pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD) e localizado em Campinas.

Os valores se somam a outros R$ 60 milhões já aplicados pela Embrapii no ano passado, no âmbito do Programa Prioritário PPI IoT/Manufatura 4.0, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Assim, o total aportado na iniciativa chega a R$ 120 milhões

Além disso, de acordo com a proposta, pelo menos mais R$ 6 milhões deverão ser captados junto a empresas associadas, levando o projeto a alcançar pelo menos R$ 126 milhões.

Notícias relacionadas

O Centro de Competência Embrapii em Open RAN tem como foco o desenvolvimento de tecnologias abertas para infraestrutura de redes de telecomunicações. Atualmente, as redes são dependentes de equipamentos produzidos por poucos fornecedores que oferecem soluções proprietárias, nota a empresa. 

Dessa forma, a Embrapii argumenta que a iniciativa permitirá que a iniciativa privada se especialize no desenvolvimento de software e hardware abertos, possibilitando o surgimento de novas empresas no segmento e aumentando a oferta de equipamentos e soluções às operadoras de rede.

O aporte feito pela Fapesp foi anunciado dentro de pacote de R$ 75 milhões que inclui, além do Open Ran, apoio para terapias avançadas, tanto no centro de Competência da Embrapii em Campinas, quanto em São Paulo. 

“É importante registrar esse avanço da Embrapii, nesses dois últimos anos, de incorporar uma nova modalidade de desenvolvimento tecnológico para a indústria, com um modelo mais proativo, em que, através desses Centros de Competência, a gente tem como desbravar as tecnologias de fronteira”, afirma o presidente da Embrapii, Chico Saboya, em nota.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile