Com fabricantes da China, cresce disponibilidade de aparelhos para 5G standalone

Apesar de contar com poucas redes ativas atualmente, o ecossistema de dispositivos compatíveis com o 5G standalone já representa quase metade do total de aparelhos compatíveis com a quinta geração. Considerando diversos tipos de equipamentos – celulares, modems, TVs e até robôs, por exemplo -, são 298 dispositivos anunciados até março, com 204 lançados – isto é, disponíveis comercialmente, ainda que alguns precisem de atualização de software para o funcionamento com a tecnologia. A maioria fabricada por empresas chinesas. 

Segundo levantamento da associação global de fornecedores móveis (GSA) divulgado nesta quarta-feira, 17, isso significa um aumento na penetração da compatibilidade com standalone na base total de 5G. Esse universo agora é 47% do mercado de quinta geração, além de mais 50% dos já disponíveis comercialmente. "Alguns demandam atualização de software – é o que a China Mobile pretende fazer, atualizando milhões de celulares", explica o VP de pesquisa da GSA, Simon Sherrington. 

Tipos de dispositivos 5G SA. Fonte: GSA
Notícias relacionadas

Considerando também o padrão não standalone, no mundo há 404 aparelhos compatíveis com a rede de quinta geração disponíveis e 628 anunciados, um aumento de mais de 30% nos últimos três meses.

Força da China

Interessante notar que os dispositivos compatíveis com 5G SA são, em maioria, chineses. São 51 fornecedores, com mais 19 anunciados. "É um mercado fragmentado, com a maioria dos vendors tendo anunciado menos de cinco dispositivos comerciais. Mas os quatro maiores são responsáveis por 49% do total", explica Sherrington. 

Os maiores são Huawei, BBK Electronics, Oppo, Xiaomi, Realme, MeiG e ZTE, todos da China. Apenas a Samsung, da Coreia do Sul, está dentre os maiores fabricantes de aparelhos compatíveis com 5G SA. Confira no gráfico abaixo. 

Fabricantes de dispositivos 5G SA. Fonte: GSA

Ondas milimétricas

Na visão da GSA, outra tecnologia que começa a emergir é o de faixas mais altas, as ondas milimétricas (mmWave) como a de 26 GHz que será leiloada pela Anatel no Brasil. No entanto, o modelo para utilização desse espectro é, compreensivelmente, mais focado no acesso fixo-móvel, uma vez que cada antena tem uma área de cobertura muito menor por conta da frequência alta. 

Trata-se de um universo de 30 aparelhos compatíveis com mmWave e em 5G standalone. A maior parte (36%) são de módulos, e 27% para banda larga (FWA). Outros 20% são de celulares. Desse total, 18 dispositivos estão comercialmente disponíveis, sendo que 46% deles são módulos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.