Receita Federal prepara destruição de 111 mil TV boxes piratas

A Receita Federal destruirá nesta quarta-feira, 16, um lote de 111 mil aparelhos piratas de TV box apreendidos no Porto Seco de Resende (RJ). Essa será a maior trituração dos equipamentos desde que o órgão firmou convênio com a Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA).

No total, as caixas para pirataria de TV por assinatura são avaliadas em R$ 14 milhões. Os aparelhos clandestinos foram apreendidos depois de desembarcarem do Porto de Itaguaí, também no Rio de Janeiro; o Porto Seco é uma unidade alfandegada da Receita, onde os importadores armazenam seus produtos com taxas mais baixas do que nas chamadas zonas primárias.

A destruição dos equipamentos na quarta-feira ocorrerá no mesmo local. Firmado em 2016, o convênio entre a Receita e a ABTA já possibilitou a retirada do mercado de 610 mil aparelhos piratas de TV por assinatura, gerando cerca de 200 toneladas de resíduos para reciclagem.

Notícias relacionadas

Os equipamentos são descaracterizados individualmente e depois triturados em uma prensa hidráulica: enquanto o plástico é transformado em matéria-prima, os componentes eletrônicos são destinados para reaproveitamento dos metais.

A estimativa atual da ABTA é que o impacto financeiro da pirataria de TV por assinatura chegue a R$ 15,5 bilhões por ano, sendo R$ 2 bilhões em impostos que governos deixam de arrecadar. Outra pesquisa encomendada pela associação apontou que 33 milhões de brasileiros (ou 27,2% dos usuários de Internet com mais de 16 anos) consomem conteúdo de TV por assinatura por um ou mais meios piratas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.