Publicidade
Início Newsletter Minicom aguarda área econômica do governo aprovar créditos do Fistel para Banda...

Minicom aguarda área econômica do governo aprovar créditos do Fistel para Banda Larga para Todos

(Atualizada às 23:50) O governo fez as contas e  avalia que o Valor Presente Líquido para os investimentos necessários aí Banda Larga para Todos seria de R$ 20 bilhões, sendo um total de R$ 50 bilhões previstos de Capex nos projetos. Isso para uma meta de 90% dos municípios brasileiros com fibras óticas e 45% dos domicílios com fibras passantes, além de velocidade média de 25 Mbps até 2019. Porém, ainda não há uma definição da data do lançamento do programa.

Segundo o secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, o governo vai arcar com a diferença do custo das redes (Valor Presente Líquido – VPL – que der negativo) e as receitas projetadas a serem auferidas com o serviço. Esses custos serão bancados por créditos do Fistel, que serão leiloados e efetivamente pagos no prazo de dois anos.

Martinhão, que falou nesta terça-feira, 11, para os integrantes da subcomissão de telefonia móvel e TV por assinatura da Câmara, afirmou que falta aos ministérios da Fazenda e do Planejamento autorizarem o crédito, dentro da programação tributária, para que o programa seja lançado. Outro ponto que ainda está em estudo é a possibilidade de obrigar as operadoras a abrir as novas redes para outras prestadoras, evitando o feriado regulatório proposto pela Anatel no Plano Geral de Metas de Competição (PGMC) para as novas infraestruturas de fibras construídas com o dinheiro das operadoras. “No caso do Banda Larga para Todos, haverá dinheiro público”, argumenta.

Notícias relacionadas

Há ainda outra contrapartida em estudo, a de obrigar as operadoras a ofertarem um plano básico dentro do programa, com preço e velocidade estipulados previamente, como acontece no programa Banda Larga Popular. “Isso tudo tem impacto financeiro e nós ainda precisamos avaliar se será possível”, disse o secretário.

Uma das estratégias previstas para redes de transporte e acesso sem impactar tanto os cofres públicos é o leilão reverso. O diretor do departamento de banda larga do Minicom, André Moura Gomes, confirmou a este noticiário que a viabilidade depende de uma escala mínima, e que o governo está fazendo estudos técnicos que serão “atualizados e revistos até pouco antes do dia em que sair o edital”. Com isso, será possível dimensionar a escala para a ajuda e o quanto o governo poderá investir.

Velocidade média

Martinhão fez questão de esclarecer que a velocidade de 25 Mbps, prevista no programa, é uma média. “Vai ter gente com acesso a 100 Mbps e gente com 10 Mbps”, afirmou, rebatendo a posição adotada pelo conselheiro da Anatel, Marcelo Bechara, que disse na mesma subcomissão que a meta era inexequível.

Outro esclarecimento feito pelo secretário de Telecomunicações é de que os 45% dos domicílios que terão fibras óticas próximas estarão nas cidades com mais de 100 mil habitantes e nas regiões metropolitanas dos grandes centros. “Nas cidades menores, onde a demanda pelo serviço também é reduzida, a cobertura pode ser feita por rádio”, afirmou.

Martinhão disse que os pequenos provedores já se comprometeram a cobrir com fibra 1.284 distritos onde há viabilidade econômica, desde que tenham investimentos. “Para isso, o legislativo precisará aprovar um projeto de lei que estabeleça um fundo de aval para que essas empresas tenham acesso a empréstimos diferenciados”, disse. Outra possibilidade também em exame é a de priorizar a cobertura em que haja o engajamento dos governos estaduais por meio de créditos do ICMS.

A subcomissão especial de telefonia móvel e TV por assinatura tem como objetivo apresentar soluções para assegurar serviços de telecomunicações de baixo custo, mas com qualidade. O presidente da subcomissão, deputado Vitor Lippi (PSDB-SP) disse que apresentará sua proposta até o final do ano.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile