Ministro defende indicação definitiva para agência

O impasse dentro da Anatel sobre a deliberação do novo PGO e do Plano de Atualização da Regulamentação (PGR) não deve ser resolvido com a indicação de um substituto para a última vaga aberta no Conselho Diretor da agência, o que garantiria o desempate nos votos sobre os dois temas. Para o ministro das Comunicações, Hélio Costa, responsável por encaminhar a listra tríplice de substitutos para indicação em caso de vacância, a delicadeza dos assuntos que estão sendo deliberados pela agência exige a nomeação de um conselheiro com mandato definitivo e não um nome provisório.
O ministro afirma que essa possibilidade de indicação de um substituto pode ser levada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas contra-argumenta que já existem nomes para a escolha final por parte do Palácio do Planalto. "Nós entendemos que um assunto da importância do PGO deveria ter a participação dos cinco conselheiros. Então, evidentemente, se existe a possibilidade (de indicação de um substituto), vamos explorar com essa hipótese com o presidente da República", afirmou Costa. "Agora, eu entendo que a melhor solução seria a indicação de um conselheiro em definitivo", complementa.
A indicação formal de um nome para a vaga da Anatel foi feita pelo Ministério das Comunicações há meses. Trata-se da assessora especial da presidência do Senado Federal, Emília Ribeiro, que contaria com amplo apoio do PMDB para assumir o cargo. Mas existem outros dois nomes na disputa, conforme lembra o próprio ministro. São eles o do superintendente de Serviços Privados da Anatel, Jarbas Valente; e o do consultor em telecomunicações Márcio Wohlers, que já foi inclusive da equipe do Minicom.

Notícias relacionadas

Pinheiro alinhado

O presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados, Walter Pinheiro (PT/BA), defende a mesma tese do ministro. "É de bom alvitre que se mande logo (para o Congresso) o nome do conselheiro definitivo", afirmou o deputado. "Parece que essa discussão está maturada e que falta só bater o martelo".
Pinheiro ressalva, porém, que a demora na indicação não estaria relacionada com a aridez dos assuntos em debate pela Anatel, mas sim em uma discordância de idéias que existe dentro da própria agência sobre a reforma da regulamentação do setor. "Acho que a demora da Anatel sobre o PGO é para fazer algo esmerado, bem feito", avaliou. A dificuldade de escolha do nome para o Conselho Diretor estaria no campo político, segundo Pinheiro. "Essa discussão sobre a vaga já se estendeu por muito tempo", lamentou o deputado.
Mesmo com a agenda do Congresso apertada pela iminência do recesso – que começa no dia 15 de julho -, o ministro das Comunicações, Hélio Costa, acredita que há tempo hábil para que o Senado Federal avalie a escolha que o Planalto venha a fazer para ocupar a vaga da Anatel. Uma vez escolhido pelo presidente da República, o futuro conselheiro deve ser sabatinado pela Comissão de Infra-Estrutura do Senado e aprovado no Plenário da Casa. Costa, que tem mandato de senador, calcula que um mês é mais do que necessário para concluir esse processo de avaliação por parte dos senadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.