Red Hat aposta na arquitetura aberta contra o 'vendor lock-in'

especialista em arquitetura de soluções para telecomunicações, mídia e entretenimento na Red Hat, Izabella Coeli. Foto: Marcelo Kahn

Uma arquitetura aberta de nuvem nativa permite a implantação de uma rede 5G de forma mais ágil e flexível, segundo a fornecedora Red Hat. A especialista em arquitetura de soluções para telecomunicações, mídia e entretenimento na companhia Izabella Coeli, explicou durante o Fórum de Operadoras Inovadoras 2022 nesta terça, 5, que, sobretudo, evita que o provedor de Internet fique refém de apenas uma empresa ("vendor lock-in").

Para Coeli, o fornecimento de acesso fim a fim dessas empresas tradicionais impede a escalabilidade de soluções, nem o acesso a outros fornecedores, naturalmente. "Todo mundo quer solução para green field. Quando tem que expandir, é você que paga a conta. Não consegue expandir para nuvem hyperscale por estar amarrado com fornecedor", coloca ela. 

A companhia trabalha com uma arquitetura chamada OpenShift, que permite essa migração com um cardápio de fornecedores e parceiros, incluindo nuvens públicas da Amazon, Google e Microsoft, e fornecedores como Mavenir. As aplicações podem ser tanto na rede de acesso quanto em CDNs, edges, orquestração e automação. "A gente trabalha por subscription, vocês acessam o software e pagam um valor por isso. Se o time não precisar de suporte mais, consegue operar sozinho", disse ela à plateia do evento organizado por Mobile Time e TELETIME

Notícias relacionadas

"O OpenShift é cloud nativo, com base Linux, que tem kernel virtual machine incorporado desde 2007. Por isso vocês têm provisionador de recursos", declara Coeli, afirmando que se trata de um modelo mais recente de framework do que o Openstack. 

Mas uma coisa é a integração com esses fornecedores norte-americanos e europeus, outra é com empresas como a Huawei – que, por vezes, é acusada de fazer o vendor lock-in. Segundo a especialista, que não citou a gigante asiática nominalmente, a Red Hat (que é dos Estados Unidos) é compatível com os equipamentos chineses, desde que não compartilhe informações sensíveis. "Não podemos negligenciar a presença de um fornecedor chinês enorme na América Latina", disse ela.

A Red Hat também participa ativamente de diferentes grupos de padronizações, como 3GPP, O-RAN Alliance, Telecom Infra Project (TIP, capitaneado pelo Facebook). A empresa é fornecedora também de Open RAN, inclusive com testes com a Algar no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.