UFCG conduzirá estudos sobre segurança cibernética e 5G para Anatel

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) foi escolhida pela Anatel para realização de estudos sobre segurança cibernética nas redes de telecomunicações, em especial de 5G.

A celebração do Termo de Execução Descentralizada (TED) com a universidade paraibana foi aprovada pelo Conselho Diretor da agência reguladora nesta semana. O valor para execução do contrato é de R$ 3,183 milhões.

Estão previstos oito pacotes de trabalho sobre os "principais aspectos, desafios e tecnologias relativos à segurança de redes 5G, também abordando questões atinentes às redes legadas de telecomunicações". Os produtos serão desenvolvidos em 20 meses.

Notícias relacionadas

As análises tecnológica, econômica, da regulação e de padronização previstas devem envolver redes definidas por software (SDN), fatiamento de rede (network slicing), nuvem, Internet das Coisas (IoT), virtualização de funções de rede, camada física (physical layer), verticais e boas práticas.

Academia

Segundo a área técnica da Anatel, a escolha da UFCG se justifica pela tradição da universidade federal na vertente tecnológica.

Além do Núcleo de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Tecnologia da Informação, Comunicação e Automação (Virtus), os departamentos de computação e engenharia elétrica da UFCG vão atuar nos produtos, bem como especialistas do Instituto Federal da Paraíba (IFPB) e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

A busca por parceiros na academia para os estudos foi determinada ainda em maio pelo conselheiro da Anatel, Carlos Baigorri, na condição de presidente do Conselho Superior do Centro de Altos Estudos em Telecomunicações (Ceatel). A possibilidade já estava prevista no Regulamento de Segurança Cibernética.

Na agência, o trabalho será coordenado pela Superintendência de Controle de Obrigações (SCO). Os estudos também poderão ser discutidos no Grupo Técnico de Segurança Cibernética (GT-Ciber) da Anatel, que vai se debruçar sobre a temática 5G na medida em que as redes públicas e privativa para administração federal forem instaladas.

1 COMENTÁRIO

  1. Que grande avanço, nem são capazes de fornecer uma internet de qualidade para os estudantes, ate imagino a qualidade de estudos que iram ser conduzidas.

Deixe seu comentário