Principal ponto de troca de tráfego do Brasil, IX.br completa 15 anos

Foto: Pixabay

O principal ponto de troca de tráfego (PTT) brasileiro, o IX.br (Brasil Internet Exchange), está completando 15 anos de operação em julho. A iniciativa do Comitê Gestor da Internet do Brasil (CGI.br) e do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) está presente em mais de 30 localidades nas cinco regiões do Brasil e figura entre os principais PTTs do mundo, segundo as entidades informaram em comunicado nesta quarta-feira, 3. Atualmente, o IX.br registra mais de 7 Tbps de tráfego de Internet – somente o de São Paulo é responsável por cerca de 5 Tbps. A unidade paulistana é a maior do mundo em número de redes interligadas e a terceira em termos de tráfego de dados. 

Ao longo dos 15 anos, o IX.br expandiu o alcance e capacidade, trazendo impacto no mercado de trânsito de Internet brasileiro. Segundo dados da consultoria e pesquisa de mercado Telegeography, o custo para adquirir rota de 10 Gbps da rota Miami-São Paulo caiu mais de 80% entre 2015 e 2018, passando de US$ 48 mil para US$ 8 mil. A presença dos PTTs regionais também ajuda a reduzir os custos dos ISPs, aponta o NIC.br. "O IX.br permite que o tráfego seja resolvido localmente e tem proporcionado diversas melhorias para o ecossistema da Internet no Brasil", ressalta o diretor de Projetos Especiais e de Desenvolvimento do NIC.br, Milton Kashiwakura.

Aumento do tráfego no IX.br no ano e durante a década. Foto: Reprodução

A operação do IX.br começou em julho de 2004, com a aprovação do CGI.br do projeto PTT Metro para atender inicialmente a região metropolitana de São Paulo. Ele já incluía o primeiro ponto de troca de tráfego brasileiro, operado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) desde 1998, além de outros que surgiram por iniciativa de entidades acadêmicas e privadas. O modelo do IX.br leva os participantes a se conectar e trocar tráfego entre si. "Houve uma retroalimentação positiva. Mais provedores de acesso passaram a participar do IX.br para trocar tráfego com aqueles que forneciam conteúdo e vice e versa", declara Kashiwakura. O número de participantes saiu de 96 nos primeiros cinco anos para 2.394 atualmente.

Segundo o diretor do NIC.br, os picos de tráfego registrados no PTT até 2011 eram em horário comercial durante a semana. Com a popularização de serviços de streaming de vídeo como YouTube e Netflix, o padrão mudou e os picos atualmente acontecem após as 22h e nos finais de semana. Em 2015, a entidade inaugurou um data center em São Paulo, o que ampliou a infraestrutura de conexão do ponto de troca de tráfego.

O NIC.br afirma continuar trabalhando para manter o IX.br com capacidade suficiente para suportar o tráfego sem congestionamento, além de facilitar e tornar mais segura a cooperação entre os participantes. A entidade cita iniciativas como Programa Por Uma Internet mais Segura e o programa de rede de distribuição de conteúdo OpenCDN. "A iniciativa é um sucesso também por conta do envolvimento de diversas organizações que cedem parte de suas infraestruturas e nos ajudam de diversas formas a tornar o IX.br uma realidade", complementa o diretor presidente do NIC.br, Demi Getschko.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.