Mercado tenta compensar queda da base móvel com maior ARPU, diz área técnica da Anatel

Foto: Pixabay

Além dos dados de dezembro, a Anatel também liberou o relatório de acompanhamento do serviço móvel pessoal no terceiro trimestre de 2019. O relatório foi elaborado pela área técnica com colaboração da Gerência de Acompanhamento Econômico da Prestação (CPAE), da Superintendência de Competição (SCP), e destaca a queda na base total registrada nos últimos anos, mas contornada pelas teles com o incentivo à migração para o pós-pago, oferecendo assim maior receita média gerada pelo usuário (ARPU).

A própria análise coloca que, apesar da redução da base, as operadoras procuram melhorar a ARPU, ao ponto em que chegaram a obter quatro trimestres de aumento. No entanto, o mercado acabou ficando estagnado no terceiro trimestre do ano passado. Segundo o relatório, as prestadoras focam não apenas em ganhar novos clientes, mas em elevar a receita gerada, além de traçar outras estratégias de rentabilização "baseadas em modelos de negócio emergentes", como Internet das Coisas, o que deverá ser abordado apenas em futuras análises da agência.

A área técnica da agência não correlaciona com a tendência de receitas, mas também observa a redução do pré-pago, que já representou 80% do mercado brasileiro, no início de 2014. Segundo os dados de dezembro divulgados pela Anatel, hoje esse segmento é 51,63% do total. A Anatel é otimista na previsão de mudança de mix: segundo os cálculos da agência, a inversão para o pós-pago ocorreria já no primeiro trimestre de 2020. Para que isso ocorra e no ritmo atual, seria necessário a base pré-paga desligar pelo menos 5 milhões de acessos até março (exceto dezembro, a média dos últimos meses é de menos de 1 milhão de desconexões), enquanto o pós-pago deveria continuar crescendo pelo menos 1 milhão de acessos por mês até lá. 

Na portabilidade, contando até o mês de setembro de 2019, houve mais pedidos do que todo o ano de 2018, destaca o relatório. A agência diz que Claro e Nextel são as empresas com saldo positivo nos trimestres analisados. A efetividade da portabilidade no geral caiu, nos últimos anos (o pico foi de 89,29% em 2014), mas até setembro, estava em 86,13%, 0,12 ponto percentual a mais do que o final de 2018.

A Anatel também ressalta a tendência de queda da base total de SMP, observada a partir de 2015. Comparando o auge do mercado com os números do segundo trimestre de 2019, a queda foi de 19,70%, diz o relatório. Essa tendência é explicada por fatores como a redução da tarifa de interconexão de rede móvel (VU-M), que resultou na queda do "efeito clube", no qual uma pessoa tinha mais de um chip ao mesmo tempo para aproveitar descontos nas ligações on-net. Também destaca mudanças do cenário econômico e "alterações do comportamento do uso do usuário (sic)", que passou a adotar aplicativos over-the-top para troca de mensagens e mesmo ligações, como no caso do WhatsApp. 

1 COMENTÁRIO

  1. O problema, que mesmo com aredução da base instalada, o aumento do ARPU, pode significar um aumento do tráfego, coisa que está sendo estimulado pelas operadoras, mas sem o crescimento devido das infraestrutura, razão de um péssimo serviço oferecido pelo serviço móvel.
    Pergunto: Também esse aumento de churn, pode abrir um espaço que pode ser ocupado pelas operadoras virtuais?

Deixe uma resposta para Arivaldo Costa de Araujo Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.