Governo mantém portas abertas às teles no Plano Nacional de Banda Larga

O ataque feito pelo secretário de logística e tecnologia da informação do Ministério do Planejamento, Rogério Santanna, à postura das grandes teles na última terça-feira, 29, criticando a falta de disposição em firmar acordos com o governo, voltou a ser assunto nesta quinta-feira, 1º de outubro, durante o I Fórum Nacional de Cidades Digitais. Desta vez foi o assessor especial da Casa Civil, André Barbosa, quem ponderou sobre a falta de parceria das concessionárias. Mas Barbosa aproveitou a ocasião para esclarecer que as portas do Plano Nacional de Banda Larga não estão fechadas para as concessionárias.
"Não é apenas a crítica à iniciativa privada que vai nos levar a novos caminhos. É preciso também trabalhar com a iniciativa privada", declarou o assessor, deixando claro logo depois que o governo não censura o estabelecimento de acordos com nenhum tipo de empresa, seja ela grande ou pequena. "Não vejo nenhum problema de conversar com a iniciativa privada. É verdade o que o Rogério Santanna apresentou, de que as empresas ainda não são parceiras do governo. Mas acho que elas estão mais com medo de uma estatização do que de qualquer outra coisa. E nós já deixamos claro é isso que pretendemos fazer", esclareceu.
O único caso de parceira contabilizada positivamente pelo governo é o Banda Larga nas Escolas, firmado no início de 2008, onde as concessionárias se comprometeram em levar Internet em alta velocidade a todas as escolas urbanas até o fim de 2010. Mas o maior incômodo do governo não está simplesmente no comportamento das empresas, mas na barreira que se tornou a falta de uma alternativa de rede para que uma concorrência se estabeleça e estimule as próprias concessionárias a expandir suas áreas de atuação.

Notícias relacionadas
Na opinião de Barbosa, a criação de uma infraestrutura pública conforme pretendido pelo governo pode acabar sendo uma alternativa para criar uma disputa até mesmo entre as concessionárias. "Elas podem usar a rede do governo para chegar a outros estados. Por que não? Desde que elas paguem para nós para usar a nossa rede já que o unbundling, de verdade, não existe", refletiu o assessor. "O que a gente não pode é exacerbar ânimos; fechar portas." O assessor destacou ainda que as grandes empresas têm capacidade de investimento, conhecimento do setor e pesquisa na área que as tornam players que não podem ser simplesmente descartados de qualquer plano.
Um sinal importante que permeia o discurso do assessor da Casa Civil é a expectativa do governo de que as concessionárias mudem de postura com relação às propostas de políticas públicas para telecomunicações. Esta esperança também permeia o discurso de Rogério Santanna, mesmo com os ataques mais severos às teles. A lógica que começa a se desenhar sobre o Plano Nacional de Banda Larga – que já começa a ser chamado de Brasil Digital por membros do governo – é que ele também funciona como uma clara ameaça do governo à postura até agora adotada pelas concessionárias: se elas quiserem colaborar com o projeto, serão bem vindas, mas se continuarem colocando impedimentos, o governo investirá na via alternativa como forma de expandir os serviços nas áreas onde as grandes teles não chegam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.