OUTROS DESTAQUES
DESEMPENHO
Receita das teles recua 1,3% em 2017, mas investimentos caem 3,4%
terça-feira, 05 de dezembro de 2017 , 17h14

A receita bruta das empresas de telecomunicações chegou a R$ 169 bilhões até o terceiro trimestre deste ano, com queda de 1,3% quando comparada ao faturamento de janeiro a setembro do ano passado e igualando o desempenho obtido em 2013. Mas os investimentos recuaram 3,4%, chegando a R$ 16,9 bilhões de janeiro a setembro ante R$ 17,4 bilhões aplicados em igual período do ano passado.

Os números fazem parte do balanço apresentado nesta terça-feira, 5, pelo presidente do SindiTelebrasil, Eduardo Levy. Segundo ele, pela primeira vez, a soma das receitas de dados das operadoras (62%) superou o rendimento com o serviço de voz (38%), levando em conta os resultados até o terceiro trimestre. Em 2016, o faturamento das teles era dividido em 51% de receitas de voz e 49% de receitas de dados.

Também em outubro de 2017, o número de celulares com tecnologia 4G (95 milhões) superou os aparelhos com 3G (92 milhões). Já a tecnologia 2G continua presente em 36 milhões de acessos. Segundo Levy, a base 2G ainda se mantém, mesmo com a queda constante, por causa do preço alto dos smartphones. A telefonia móvel como um todo, chegou a outubro com 241 milhões de acessos, 4% a menos que no mesmo mês de 2016. Em outubro de 2014, a base atingia 279 milhões.

De acordo com o sindicato, a rede 4G já está em 3,3 mil municípios, o triplo das cidades onde as operadoras tinham obrigação de atender (1,07 mil). A cobertura já atende 90% da população, enquanto nas cidades com 3G (5,09 mil) moram 99% da população brasileira.

Levy afirma que a banda larga avançou até outubro de 2017 em 5%, mesmo com a redução de investimentos. O número de acessos fixos e móveis chegou a 234 milhões, ante 223 milhões em igual período do ano passado. Já a TV por assinatura caiu 3%, para 18,4 milhões em outubro deste ano. A telefonia fixa também recuou 3%, para 41 milhões de acesso, com redução maior do percentual de assinantes de concessionárias (58%).

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top