OUTROS DESTAQUES
Crise da Oi
Saída de Schroeder, por si só, não detonará nenhuma ação da Anatel sobre a Oi
sexta-feira, 24 de novembro de 2017 , 18h05

A mudança de comando na Oi, com a saída de Marco Schroeder da presidência da empresa, não deve precipitar nenhum movimento adicional da Anatel até que seja nomeado um novo presidente para a companhia. A expectativa da agência é que essa nomeação seja feita pelo conselho de administração da empresa. Existe uma situação de dúvida, uma vez que tanto a ordem judicial do juiz Fernando Viana no dia 16 de novembro quanto a cautelar da Anatel limitam a atuação dos dois diretores estatutários que são também conselheiros: João Vicente Ribeiro (Pharol) e Hélio Costa (Société Mondiale). Eles não podem atuar no âmbito da recuperação judicial, e é impossível que estas negociações aconteçam sem a participação do presidente da empresa.

Existe o entendimento dentro da agência de que eles não poderiam ser apontados presidentes justamente pelo vínculo com os acionistas, o que geraria conflito de interesse na recuperação judicial. Restam dois diretores estatutários no quadro da atual diretoria que poderiam ser indicados para o cargo de presidente da empresa: Carlos Brandão (financeiro e relações com o mercado) e Eurico Teles (jurídico), ou um novo nome, independente. Não está, como nunca esteve, descartada a possibilidade de uma intervenção da Anatel na empresa, mas a troca de comando não deve mudar as possibilidade de que isso aconteça até que se saiba como ficará a diretoria.

A Anatel decidiu trocar um dos seus observadores na Oi. Filipe Simas de Andrade, assessor da Superintendência de Competição, deixa a função. Abraão Balbino, superintendente de competição, seguirá como o observador nas reuniões de conselho e o gerente regional do Rio, Rodrigo Sarruf de Almeida, será o responsável por acompanhar as reuniões de diretoria.

Foi feito ainda o sorteio do relator do processo de verificação do Plan Support Agreement (PSA) da empresa: será Leonardo Euler, o mesmo conselheiro que já relata o processo para uma eventual abertura da caducidade das outorgas da Oi.

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Erick disse:

    Parece que a melhor saída para a Oi será a intervenção… Acionistas precisam se entender logo!

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top