OUTROS DESTAQUES
Tecnologia
5G demanda novas abordagens com protótipos
sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2016 , 16h24

Para o desenvolvimento da próxima geração de rede móvel, a 5G, a fase de protótipos para testes precisa ter uma abordagem diferente, na visão da fornecedora de sistemas para engenharia National Instruments.  Mesmo ainda sem padronização, a tecnologia já começa a ser preparada para testes de campo ainda este ano com as operadoras Verizon e AT&T, nos Estados Unidos, e com a Claro no Brasil (em parceria com a fornecedora Ericsson). Por isso mesmo, as empresas estão em uma fase crítica de definição de plataformas, características e abordagens para a novidade.

Um dos problemas é o espectro: para ter a capacidade necessária de throughput (fala-se entre 1 Gbps e 10 Gbps) e não precisar trabalhar com refarming nas bandas já ocupadas, o desenvolvimento tem focado em espectro acima de 6 GHz, inclusive na faixa entre 54 GHz e 66 GHz, além de utilizar ondas milimétricas (mmWave). Para otimizar a cobertura, a tecnologia planeja utilizar múltiplos inputs e outputs (MIMO) nas antenas. "Com a habilidade do MIMO, é possível ter mais usuários conectados, e isso ajuda também (a ter menos) estações radiobase, que não precisa ter tanta quantidade e tem investimento menor", declara o engenheiro e gerente regional de marketing da National Instruments para a América Latina e Canadá, Arturo Vargas.

Isso não significa que a ideia seja trabalhar com espectro não licenciado. "É parte da padronização, e os governos vão seguir a onda de investimento", explica o engenheiro. A regulação para as faixas ultra-altas pode seguir os moldes das já utilizadas, embora isso dependa das agências e governos de cada país. Vale ressaltar que, acima das ondas milimétricas (de 71 GHz em diante), ainda não há licenciamento.

Uma das empresas que já trabalha em demonstrar a 5G em ERBs é a Samsung, que utiliza equipamentos com 32 elementos de antenas para criar um espaço de canal em três dimensões com o Full-Dimension MIMO (FD-MIMO). Com isso, as teles podem colocar antenas em locais elevados, como prédios e postes, com feixes direcionados para o usuário no solo. Há ainda os sistemas MIMO massivos, que utilizam centenas de antenas para detectar sinais fracos dos dispositivos móveis com técnicas lineares de codificação para simplificar o processamento nas ERBs.

"Essa ideia de prototipagem é fácil de entender, mas é uma realidade não tão fácil, principalmente de 5G, porque falamos de frequência muito altas, algoritmos novos e o hardware que está disponível atualmente no mercado não tem capacidade, por isso nossa tecnologia está ajudando", declara Vargas. "O interessante é que nosso hardware e software, a solução pode ser internalizada pelas empresas que fabricam modems, chipsets, e poderão se beneficiar dos algoritmos, a propriedade intelectual na parte de prototipagem", adiciona o gerente de marketing técnico para Américas da National Instruments, André Pereira.

IoT

O desenvolvimento da 5G está ligada à evolução das redes de Internet das Coisas. Apesar de muitas conexões não demandarem capacidade de dados volumosa, a baixa latência da nova tecnologia a torna a melhor opção para aplicações críticas como carros automatizados, semáforos e estradas. "É importante que a padronização tenha a habilidade de fazer a diferença (entre as missões críticas e de comunicação comum)", declara Arturo Vargas. O engenheiro acredita que, assim como nas tecnologias anteriores, a quinta geração será guiada pela demanda do consumidor.

Parceria

A National Instruments está envolvida no desenvolvimento da 5G no Brasil com a Inatel. Segundo Vargas, o País é um dos países mais avançados nas pesquisas nessa nova tecnologia na América Latina. A companhia está trabalhando com a Inatel em um modelo e deverá apresentar projetos nos próximos meses.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top