OUTROS DESTAQUES
Satélites
Hughes não poderá usar a posição orbital 68,5 Oeste
segunda-feira, 17 de outubro de 2011 , 14h43 | POR REDAÇÃO

A Hughes (HNS Americas) terá de trocar a posição 68,5º Oeste, escolhida ao vencer a quarta etapa do leilão promovido pela Anatel em 30 de agosto. A posição não estava na lista fornecida pela Anatel que continha as posições em processo de coordenação ou notificação para o Brasil junto à UIT. A escolha de posição diversa era permitida, mas a Anatel verificaria o impacto da sua utilização no sentido de não restringir ou inviabilizar o uso de outra posição oribital.

Além disso, a Star One, na ocasião, não abriu mão do prazo para recurso, já indicando que teria interesse em recorrer uma vez que, no mesmo leilão, levou a posição 70º Oeste. Segundo alguns técnicos da área, como as duas posições estão a apenas 1,5º de distância, é grande a chance de haver interferência entre elas.

Foi publicado nesta segunda, 17, no Diário Oficial da União a decisão da Anatel tomada por meio de circuito deliberativo em relação ao recurso da StarOne. Em comunicado, a Anatel esclarece que a decisão do Conselho Diretor de determinar a escolha de uma nova posição decorre do fato de que a escolha da HNS, 68,5º Oeste, restringiria o uso de outras posições orbitais associadas ao Plano dos Apêndices 30 e 30A em nome do Brasil, nas faixas de frequências 12,2 – 12,7 GHz, e 17,3 – 17,8 GHz, e também de posições orbitais associadas às faixas de frequências da banda X .

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top