OUTROS DESTAQUES
Mercado
Incerteza sobre novo modelo e boas oportunidades no mercado complicam decisão de fundos sobre a Oi
terça-feira, 08 de março de 2016 , 20h00

Um executivo ligado a um dos grandes fundos internacionais que estão com a Oi no radar para um possível investimento chama a atenção para alguns obstáculos no horizonte para uma eventual negociação com a operadora. O problema, diz a fonte, não é a dívida elevada (na casa dos R$ 60 bilhões) e a provável necessidade de renegociação com os credores. Esse é um fato que está "no preço" para qualquer potencial investidor, diz o executivo (ainda que a forma como esta possível negociação vá se dar seja crucial para definir o valor final de um eventual negócio). A maior preocupação, diz a fonte, é que a Oi, independente do que vier a acontecer, continuará demandando investimentos pesados nos próximos anos para se manter no mercado. Nesse sentido, a perspectiva de mudança no modelo de telecomunicações e nas obrigações da concessão continua sendo central a qualquer análise, e dificilmente alguém fará uma aposta sem ter um quadro mais claro do que vai acontecer. Também preocupa o quadro de consolidação do setor, lembrando que TIM, Nextel e Sky (controlada pela AT&T) são peças soltas no tabuleiro.

Outra dificuldade é que a Oi não é hoje o único ativo "barato" no mercado (apesar da dívida elevada, a empresa tem valor de mercado muito baixo, na casa de R$ 1 bilhão). Com a Lava Jato, com a recessão e com a desvalorização cambial, empreiteiras, grandes fornecedores da Petrobrás e grandes grupos varejistas, com ativos considerados muito interessantes, também concorrem pelos dólares que poderiam ir para a Oi.

No mercado, o acordo de exclusividade entre a Oi e o fundo LetterOne, que vigorou até a semana passada, é considerado um fator que prejudicou demasiadamente as alternativas da operadora, pois grandes investidores, até para se protegerem de eventuais processos nos EUA, evitaram  aprofundar a análise sobre a Oi. Com isso, a operadora perdeu um tempo precioso, segundo o observador.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top