OUTROS DESTAQUES
Balanço financeiro
Receitas da TIM sofrem com migração de serviços
terça-feira, 03 de novembro de 2015 , 22h38

O fato mais significativo do balanço da TIM, e que está por trás inclusive do novo posicionamento estratégico da operadora anunciado na semana passada (e nesta terça, 3, seguido pela Oi) talvez seja a aceleração da perda de receitas com serviços de voz , SMS, interconexão e longa distância. Mesmo com a recessão e com a crise econômica, esse movimento de degradação das receitas tradicionais já poderia ser esperado, mas pelo balanço do terceiro trimestre divulgado pela TIM, fica claro que o problema é bem mais drástico do que se poderia imaginar.

A receita com assinatura e utilização caiu 13,7% no trimestre em relação ao mesmo período de 2014 (para R$ 2,36 bilhões) e, no ano, já totaliza 10,7% (totalizando R$ 7,4 bilhões). As receitas com longa distância caíram no trimestre 11,8% (para R$ 671 milhões) , praticamente o mesmo percentual de queda no ano (para R$ 2 bilhões). As receitas com interconexão caíram 39% no trimestre (para R$ 370 milhões), e 39,4% no ano (para R$ 1,2 bilhão). O único índice de receitas móveis que apresentou aumento foi o de serviços de valor agregado, que cresceu 18,5% no trimestre para R$ 1,98 bilhão e 20,4% no ano, para R$ 5,7 bilhões. É provável que no quarto trimestre a TIM já tenha mais receitas com esse tipo de serviço do que com assinatura e utilização. (As receitas com SVAs, que incluem dados, aplicativos e mensagens, representam hoje 36% das receitas da TIM. Vale notar que mesmo com um expressivo aumento nas receitas com serviços de valor adicionado, as receitas com SMS (que entram nessa mesma rubrica) tiveram queda de nada menos do que 32% no trimestre na comparação com o mesmo período de 2014. A queda do SMS, portanto, mostra uma forte aceleração.

Outro item importante para as receitas da TIM é a venda de aparelho, que sofre diretamente os efeitos da crise econômica e do câmbio. A venda de aparelhos caiu 78,1% no trimestre na comparação com 2014, e o preço médio dobrou na comparação anual. com isso, a receita bruta com esse tipo de serviço caiu 28% no trimestre.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top