TIM e Idemia reforçam parceria para mercado corporativo de IoT

A TIM e a empresa de tecnologia e serviços Idemia anunciaram uma expansão de parceria entre a dupla para o mercado corporativo de Internet das Coisas (IoT) e M2M (machine-to-machine).

Atualmente, a TIM já utiliza tecnologia de gestão eSIM (um chip inteligente, que permite configuração remota, ou over-the-air – OTA) da Idemia na oferta de produtos; agora, a proposta é ter uma série de soluções que impulsionem a conectividade de empresas em segmentos como indústria automotiva, agronegócio, utilities (como energia, água e gás) e cidades inteligentes.

"A Idemia foi selecionada para este projeto por sua experiência e escala global no desenvolvimento de soluções de inteligência atreladas à conectividade avançada", apontou o head de soluções corporativas da TIM Brasil, Paulo Humberto Gouvea, em comunicado da dupla.

Notícias relacionadas

O recurso

A tecnologia da Idemia utilizada pela TIM permite que um perfil digital seja baixado remotamente da plataforma da fornecedora, armazenado em um elemento seguro chamado eUICC (Embedded Universal Integrated Circuit Card), e, em seguida, ativado na rede da operadora. Este processo exerce papel preponderante no ecossistema da indústria 4.0, segundo as empresas, viabilizando a criação de novos modelos de negócio e reduzindo a complexidade de processos.

"Para clientes TIM, o eSIM permite uma experiência verdadeiramente digital, oferecendo ativação em tempo real da assinatura para dispositivos habilitados no eSIM. A logística será simplificada, já que terminais com eUICC podem ser produzidos em uma única planta e distribuídos em todo o mundo, sendo capazes de se conectar facilmente a uma rede local em seu ponto de destino", apontaram as empresas, em comunicado.

Ou seja: com a capacidade de configuração remota do chip permite trazer equipamentos importados, sem a necessidade de adaptação para o mercado local, como seria necessário no caso de chips comuns. Também se evita o uso de roaming permanente, que antes era considerada a única forma de baratear esse custo, mas que a Anatel não permite no Brasil. Naturalmente, os equipamentos ainda precisariam ser homologados pela agência.

"A tecnologia facilita também a construção de soluções de business intelligence, com a captura otimizada de diferentes tipos de dados em tempo real por meio da rede IoT da TIM no Brasil, seguindo as devidas regulações de compliance, privacidade e segurança de dados".

Baseadas em dados da Counterpoint Research, a TIM e a Idemia estimam que as remessas de dispositivos baseados em eSIM atingirão quase 6 bilhões de unidades globalmente até 2025, principalmente em razão dos smartphones e dispositivos corporativos de IoT. (Colaborou Bruno do Amaral)

Deixe seu comentário