Quadros: renúncia de Schroeder surpreendeu mas não é desobediência

O presidente da Anatel, Juarez Qradros, reconheceu nesta quarta-feira, 29, que a renúncia do presidente da Oi, Marco Schroeder, oficializada na semana passada, não era esperada, porém a solução que a própria companhia adotou não se configurou em desobediência à cautelar da agência e à decisão do juiz da recuperação judicial. "O juiz dispôs que os diretores que devessem conduzir o processo fossem aqueles que vinham acompanhando a RJ desde o seu início e foi isso que aconteceu", afirmou.

A direção e o conselho de administração da companhia indicou o director jurídico, Eurico Teles, para substituir Schroeder. Para Quadros, do ponto de vista do acompanhamento a alteração está dentro da normalidade e a agência está apenas observando o desenrolar dos acontecimentos. "Não há um estado de turbulência", avalia.

Ainda é esperada solução de mercado para a concessionária e a Anatel tem recebido interessados, como a China Telecom, China Mobile e o China Development Bank, em uma prova de que a empresa em recuperação judicial tem valor. Quadros, entretanto, não descarta a necessidade de edição de uma eventual medida provisória para resolver os débitos da companhia com a agência e com a Advocacia-Geral da União, caso a Oi precise de condições mais favoráveis que as em vigor, na lei do Refis.

"A operação da companhia continua não fazendo os investimentos necessários para o seu porte, para a condição de uma grande concessionária que é, para que haja uma garantia da qualidade do serviço prestado adequado, por enquanto está atendendo aos indicadores, mas é preocupante", avalia Quadros. "Ainda é esperada uma eventual medida provisória, de vez que a situação da companhia é realmente delicada, daí o próprio processo de RJ e o processo de acompanhamento que a Anatel faz com um nível de refinamento acentuadíssimo", afirmou.

Plano

Sobre a nova versão do plano de recuperação da Oi, o presidente da Anatel disse que a empresa apresentou no final do expediente de ontem, mas não houve tempo de a agência apreciar. Primeiro tem que passar pela área técnica para depois então ir a conselho para tomada de posição. "Nós obedeceremos sempre o ambiente regulatório legal vigente, que é a lei do Refis e os regulamentos da Anatel também serão observados. Eventualmente, se o plano – o CD ainda não conhece – tiver alguma disposição que contrarie o ambiente regulatório legal vigente e as cautelares que a Anatel tem sancionado, a empresa estará sujeita as sanções que agora foram estabelecidas, inclusive multas de até R$ 50 milhões aos dirigentes", advertiu.

Com relação ao PSA, o presidente da Anatel afirmou que a segunda cautelar da agência, do dia 27, determina que o plano de suporte ou outro tipo de documento do mesmo gênero que a empresa venha celebrar, ela tem que se abster de condições ruinosas ao processo e à situação econômica e financeira da companhia. "Nós paramos de analisar o PSA, ou seja, foi dado um corte genérico de todos os atos que venham a ser celebrados e apresentados, se tiver condições ruinosas à companhia, os administradores serão responsabilizados nos termos do regulamento que temos quanto a punição, seja de pessoa jurídica quanto de pessoas físicas, no caso os dirigentes, quanto aquilo que está disposto na LGT", concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.