Telefônica tem crescimento de 33% no lucro líquido em 2014

A Telefônica registrou crescimento no lucro e nas receitas em 2014, segundo resultado financeiro da operadora divulgado nesta terça-feira, 24. O lucro líquido cresceu 2,4% no trimestre, total de R$ 1,260 bilhão, e 32,9% no ano, total de R$ 4,936 bilhões.

Notícias relacionadas
O lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (EBITDA) foi de R$ 2,960 (6,6% de crescimento) e R$ 10,616 bilhões (1,2%) no trimestre e no ano, respectivamente. A margem EBITDA foi de 32,7% – aumento de 1,5 ponto percentual – no trimestre, ficando estável em 30,3% no ano.

Importante ressaltar que a companhia não incluiu itens não recorrentes, como venda de torres, para não atrapalhar a leitura do comparativo anual. No entanto, no lucro líquido estão incluídos tais itens.

Receitas de dados em alta

No último trimestre do ano, a Telefônica registrou receita operacional líquida 1,8% acima no comparativo anual, total de R$ 9,047 bilhões. No ano, o acumulado foi de R$ 35 milhões, 1,3% acima do registrado em 2013.

A receita líquida de serviços foi de R$ 8,747 bilhões no trimestre (aumento de 2,1%) e de R$ 33,784 bilhões (1,6%). A companhia conseguiu aumento de 5,8% (R$ 5,918 bilhões) nos na receita de serviços móveis no trimestre e de 4,6% no ano (R$ 22,524), o que acabou compensando a queda de serviços fixos: 4,8% no trimestre (R$ 2,828 bilhões) e 3,9% (R$ 11,260 bilhões) no ano.

A companhia destaca o aumento de 22,4% no trimestre nas receitas de dados e SVA, que totalizou R$ 2,282 bilhões no período. No ano, foram R$ 8,308 bilhões, aumento de 20,8%. Somente de Internet, a companhia cresceu 32,2% no ano (total de R$ 4,942 bilhões), e em SVA houve aumento de 42,6% (total de R$ 1,660 bilhão). Por outro lado, a receita com SMS teve queda anual de 13,6% (R$ 1,973 bilhão), que a companhia acredita que é "reflexo da maturidade do serviço".

Móvel em ascensão

A companhia encerrou o ano com 79,938 milhões de acessos móveis, aumento de 3,5% no ano. Desses, 28,355 milhões eram de acessos pós-pago (aumento de 19,7%), o que garantiu à operadora um mix de pós-pago de 35,5% de sua base, aumento de 4,8 pontos percentuais (p.p.). Foram registrados 51,582 milhões de pré-pagos (recuo de 3,7%) e 3,513 milhões  de acessos máquina-a-máquina (M2M), aumento de 48,7%. A companhia afirma ter um market share de 41,8% no pós-pago e 50,8% no segmento de terminais de dados de banda larga.

De acordo com a Telefônica, os smartphones são 66% da base da empresa. Por segmento, 84% da base pós-paga utiliza esse tipo de aparelho, contra 49% na pré-paga.

A taxa de churn ficou estável em 4,1% e a receita média por usuário (ARPU) dos serviços móveis aumentou 0,5% no ano, total de R$ 23,7. O ARPU de voz foi de R$ 15 (7,2% de queda), enquanto de dados aumentou 16,9% (R$ 8,8). O ARPU pré-pago decaiu 3% e fechou o ano em R$ 12,3. Os minutos de uso (MOU) aumentaram 8,5% no ano, totalizando 134,5.

Fixa estável

No negócio fixo, o único segmento que mostrou crescimento significativo foi o de TV por assinatura, que exclui assinantes do serviço over-the-top (OTT) Vivo Play: foram 22,3% de aumento na base, totalizando 771 mil clientes. Dentro da base de TV paga, 591 mil são DTH (crescimento de 26%). A companhia afirma ainda ter crescido 38% em IPTV (17 mil de novos acessos).

A banda larga fixa ficou praticamente estável (0,1% de crescimento), fechando o período com 3,925 milhões de acessos. O total de acessos de voz fixa caiu 0,1%, ficando em 10,742 milhões. No total, houve aumento de 0,9% nos acessos fixos somados, chegando a 15,437 milhões.

A Telefônica diz que as adições líquidas da banda larga com fibra aumentaram 1,6 vez, totalizando 52 mil novos acessos no ano. A companhia afirma ainda ter 61% do share de adições líquidas entre as ofertas de banda larga acima de 34 Mbps em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.