Para dispensar licitação, rede para o governo será considerada "estratégica"

Para garantir que a Telebras poderá ser contratada sem licitação pelos órgãos da administração pública direta, o Conselho de Segurança Nacional vai qualificar a conexão dos órgãos do governo como algo estratégico. Essa foi a solução jurídica encontrada para garantir que a Telebras seja a fornecedora do serviço de dados que chega aos órgãos do governo. A informação é do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que participou nesta quarta, 16, de audiência pública na Câmara dos Deputados.

Bernardo havia informado na última terça, 15, que o governo prepara um decreto que vai implantar o serviço de e-mail do Serpro em todos os órgãos da administração pública. Além disso, o mesmo decreto também coloca a Telebras ou outra empresa pública como a Dataprevi ou órgão como a RNP como fornecedora da conexão de dados do governo.

Não tinha ficado claro como o governo ia "driblar" a exigência de licitação colocada pela Lei 8.666. "As redes serão consideradas estratégicas. Isso significa que poderemos fazer contratação direta", afirma Bernardo. Mecanismo semelhante foi usado para a Telebras adquirir um satélite geoestacionário sem o processo licitatório. Neste caso, o satélite foi considerado estratégico porque também servirá às Forças Armadas.

O secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, explica que o decreto tratará da conexão de dados. Assim, os contratos que os órgãos têm para serviços de telefonia, seja fixa ou móvel, não serão substituídos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.