TIM reposiciona marca para "fazer diferente"

A TIM apresentou nesta sexta-feira, 15, a sua nova logomarca e uma nova assinatura: "Evoluir é fazer diferente". A mudança na identidade visual da TIM Brasil acompanha o que já havia acontecido na Itália. Segundo o presidente da empresa no Brasil, Rodrigo Abreu, o objetivo é refletir o esforço da operadora em melhorar a qualidade do seu serviço ao longo dos últimos três anos, período no qual investiu no aperfeiçoamento da rede 3G e na expansão do 4G, hoje com a maior cobertura do País.

"Queremos ser a empresa de serviços de comunicação e informação mais querida. Os usuários amam seus celulares e odeiam suas operadoras. Queremos mudar essa relação com os nossos clientes", disse o executivo. "Mas não basta mudar a marca, tem que entregar (resultados)", complementou, destacando os investimentos que a companhia fez nos últimos anos em infraestrutura.

Abreu, contudo, reconhece que a percepção dos usuários não vai mudar da noite para o dia. "A percepção muda mais lentamente que a realidade. Estamos dando um empurrão com a nova marca e a nova comunicação. Queremos mudar a imagem de uma empresa que ficou no passado, que não existe mais", disse. Segundo o executivo, a fase de crescimento de base de clientes já passou: o momento agora é de fidelizar os assinantes existentes, oferecendo uma experiência com a melhor qualidade possível.

Infraestrutura

A transição do 3G para o 4G acontecerá mais rapidamente que do 2G para o 3G, prevê o presidente da TIM, Rodrigo Abreu. O executivo projeta que dentro de dois anos mais da metade da base de assinantes da operadora será 4G. A cobertura da empresa com essa tecnologia também vai superar aquela com 3G nesse intervalo de tempo, promete.

Atualmente, a TIM cobre com 4G 63% da população brasileira. Dentro de dois anos, essa cobertura subirá para 90%, projeta o executivo. Para tanto, a empresa conta com a liberação do espectro na faixa de 700 MHz, que ajudará a levar o serviço principalmente para cidades de médio e pequeno porte no interior do País. A empresa planeja um investimento total de R$ 14 bilhões em três anos.

A rede 2G, por sua vez, não será desligada por enquanto, mas passará a ter um caráter secundário, servindo apenas para soluções de comunicação entre máquinas que não precisam de muita banda.

1 COMENTÁRIO

  1. PORTAS FECHADAS
    Enquanto isso, sorrateiramente, a TIM deixa de oferecer o mapa de cobertura (antigo Portas Abertas), que mostrava todas as antenas instaladas no mapa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.