Publicidade
Início Teletime Compera nTime Yavox agora se chama Movile

Compera nTime Yavox agora se chama Movile

Nem Compera, nem nTime, nem Yavox. Depois de uma longa pesquisa de mercado, a Compera nTime Yavox decidiu mudar de nome e escolher aquele de uma pequena empresa de mobile marketing adquirida dois anos atrás: Movile. "É uma marca que se escreve fácil em várias línguas, o que é bom para nos tornarmos uma empresa global. Além disso, o nome já indica o que a companhia faz", explica Fabrício Bloisi, presidente da Movile.
Acompanhando a troca da marca, há também uma mudança estratégica. O foco principal da Movile agora é a inclusão digital através de serviços móveis em países emergentes. "Há 4 bilhões de linhas móveis e apenas 1,3 bilhão de usuários de Internet no mundo", relata Bloisi. Ou seja, enquanto muitos desenvolvedores se preocupam em criar serviços para o iPhone, existem bilhões de usuários que não possuem smartphones e que desejam acessar serviços de valor adicionado (SVA) em seus celulares. A Movile tem um portfólio bastante completo de SVAs, no qual se destacam serviços de comunidades via SMS e WAP, notícias via SMS e conteúdos em geral para download. Entre as metas da companhia está alcançar a marca de 100 milhões de usuários únicos de seus serviços em 2011.
Internacionalização

Notícias relacionadas
Para este ano, o foco da companhia se concentrará exclusivamente na América Latina. A Movile já tem um escritório no México e acaba de abrir um na Argentina e outro no Peru. Um quarto escritório fora do Brasil será aberto em breve, provavelmente na Colômbia ou na Venezuela.
A Movile quer se tornar a maior empresa de SVA da América Latina em faturamento em 2010. A companhia não abre seus números absolutos de receita, mas diz que cresceu 80% no ano passado em comparação com 2008. Em 2010, Bloisi estima que 20% do faturamento virá de fora do Brasil.
A empresa, que hoje tem cerca de 130 funcionários, espera passar de 200 até dezembro. A maioria dos novos empregados será contratada para trabalhar fora do Brasil.
Várias companhias brasileiras já tentaram se expandir pela América Latina e não obtiveram o sucesso desejado. Da mesma forma, fracassaram as poucas tentativas de empresas latinas de entrar no mercado brasileiro de SVA. "É como se houvesse duas Américas Latinas: o Brasil de um lado e os demais países de outro. Será um grande desafio para nós", descreve Bloisi.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile