Publicidade
Início Newsletter 4G será porta de entrada do 5G, diz diretor de redes da...

4G será porta de entrada do 5G, diz diretor de redes da Vivo

(Matéria originalmente publicada por Mobile Time) O uso comercial do 5G deve chegar apenas no segundo semestre de 2019 no Brasil. Mas enquanto não começa, a Vivo prepara sua estrutura de rede em conjunto com a Ericsson. De acordo com Átila Branco diretor de planejamento de redes da operadora, a base da quinta geração da Internet móvel será o 4G, contudo, precisará de mais estrutura para ativar o 5G no País.

“Estamos testando hoje a tecnologia de telemedicina em frequência de 28 GHz (ondas milimétricas), mas percebemos que, em frequências mais altas, o 5G tem problemas de oscilação em acesso indoor. Neste momento estamos preocupados com as novas frequências seus impactos no 5G” , explicou o executivo. “Acreditamos mais na frequência nova (de 3,5 GHz) para o 5G. É um investimento que está no nosso radar. Assim como mais antenas, mais fibra ótica (no backhaul e backbone) e virtualização de rede”.

Um dos exemplos que a Vivo já começou a preparar em sua estrutura é o Unica, projeto com seis datacenters para fazer a virtualização de sua rede. Atualmente, a companhia já utiliza aplicações de núcleo de rede para voz e funções virtualizadas de rede (VNF) nesses equipamentos.

Notícias relacionadas

Branco disse que é possível misturar a frequência alta (de 3.5 GHz que aguarda leilão da Anatel) com uma frequência baixa (de 700 MHz), de modo que não gerará interferência na rede e suporte usuários tanto em ambientes internos como externos. E sobre a capilaridade da rede de quinta geração, Marcos Scheffer, vice-presidente de redes da Ericsson, acredita que a expansão será primeiro em regiões com mais densidade urbana, e depois para o resto do País.

Já sobre os modelos de uso, Scheffer frisou que o primeiro pode acontecer em indústrias além das telecomunicações, como saúde e fabricantes de automóveis. O executivo da fornecedora lembrou que há estudos com Scania e Volvo, enquanto que, por outro lado, realiza testes com universidades para analisar o impacto da adoção do 5G na sociedade, como a brasileira Universidade Federal do Ceará.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile