Relator da reforma tributária estuda reduzir em R$ 50 bi carga de tributos

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que o relator da reforma tributária, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), estuda reduzir em R$ 50 bilhões a carga tributária sobre a renda do capital produtivo e dos trabalhadores.

Sabino é o relator do projeto de lei que trata das alterações de cobrança no Imposto de Renda de pessoas físicas e jurídicas e da tributação de lucros e dividendos (PL 2337/21).

Outro projeto, cujo relator é o deputado Luiz Carlos Motta (PL-SP), cria a CBS, com alíquota de 12%, em substituição ao Programa de Integração Social-PIS e à Contribuição para Financiamento da Seguridade Social-Cofins.

Notícias relacionadas

"A Câmara dos Deputados entregará uma reforma estruturante do Imposto de Renda, que promoverá uma grande geração de emprego e renda nos próximos anos. Faremos justiça fiscal e simplificação do sistema tributário", afirmou Lira por meio de suas redes sociais.

Críticas

Na última quinta-feira, 8, nove partidos publicaram carta na qual manifestam contrariedade à proposta de reforma do Imposto de Renda apresentada pelo governo. Os presidentes do MDB, PSL, DEM, PSDB, Solidariedade, Podemos, Novo, Cidadania e PV querem que o debate sobre a reforma tributária tenha como parâmetro a simplificação tributária. No documento, os presidentes dos partidos dizem que o governo boicotou as propostas de reforma que estão em discussão no Congresso.

Na quarta-feira, 7, uma carta subscrita por 120 entidades, incluindo todas as principais associações e federações do setor de telecomunicações, comunicações e infraestrutura, como Contic, Conexis, Feninfra, Febratel, MPA, Abert, Abinee, Abratel e ANJ, dentre outras, pediu ao presidente Arthur Lira mais discussão sobre os impactos do PL 2.337/2021, que traz mais um capítulo da reforma tributária, alterando as alíquotas do IR.

Segundo levantamento das entidades, a proposta do governo encaminhada ao Congresso traz 68 artigos com enormes alterações na legislação vigente que precisam ser analisadas com cuidado.

(Com informações da Agência Câmara)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.