É preciso aumentar a automação das redes celulares, concordam teles e fabricantes

Com múltiplas tecnologias de rede, diversas faixas de frequência, diferentes tamanhos de estações radiobase, a infraestrutura das operadoras móveis está cada dia mais complexa. "Em uma palavra, as redes móveis estão uma bagunça", disse o vice-presidente de marketing sem fio da Huawei, Mohamed Madkour, durante painel no evento LTE Latin America, nesta quinta-feira, 9, no Rio de Janeiro. Por isso, a gestão de uma rede celular precisa ser cada vez mais automatizada. Teles e fabricantes concordam com essa tendência, só faltam chegar a um acordo quanto ao ritmo de adoção e quanto ao preço de soluções do gênero.

Notícias relacionadas
"A SON (Self Optimizing Network) é uma necessidade. Vai ser impossível organizar a rede do futuro manualmente. Precisaremos de um nível de automatização grande", comentou Átila Branco, diretor de planejamento e tecnologia da Vivo. O executivo entende que soluções de SON já estão maduras para implementação no curto prazo, enquanto soluções de virtualização de rede e de redes definidas por software (SDN) ainda precisam de mais tempo para serem adotadas.

Madkour, da Huawei, vê de forma diferente: "Não há impossibilidade técnica para adotar essas tecnologias. O que falta é encontrar o caso de negócios correto onde elas se encaixem, para convencermos o CTO e o CFO de uma operadora." Em seguida, Branco esclareceu melhor seu ponto de vista: "Temos que separar disponibilidade tecnológica de disponibilidade de negócios. Se uma small cell 4G, por exemplo, custar o dobro de uma 3G, ela fica indisponível para negócios".

Indoor

Para o gerente de desenvolvimento de negócios da Ericsson, Blaise Allen, o grande desafio das operadoras móveis no mundo agora é a cobertura indoor. O executivo acredita que o problema pode ser resolvido em grande medida com o lançamento de redes 4G em 700 MHz. Em testes feitos pela Ericsson, a penetração do sinal em ambientes fechados de uma torre nessa frequência chega a ser três vezes maior que aquela em 2,6 GHz, faixa usada hoje para 4G no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.