CEO da TIM: crise do Coronavírus deixará um legado digital

A transformação digital impulsionada pela crise do coronavírus (covid-19) acabou acelerando planos que, em outro contexto, seriam de longa duração das empresas, segundo a TIM. Em comunicado nesta quinta-feira, 7, o CEO, Pietro Labriola, diz que a pandemia obrigou as companhias a mudar a forma de trabalhar "da noite para o dia" com a nova situação. E lamenta que o 5G ainda não seja realidade nesse contexto. "Se a tecnologia já estivesse em uso, teríamos soluções de telemedicina ou de ensino a distância, duas das áreas de extrema importância", afirma. 

Ele diz que o 5G não será um recurso apenas de telecomunicações, mas um fator para toda a economia de desenvolvimento de novos negócios. Comparando com a rápida transformação digital, ele diz que será necessário tomar esse passo para adoção da tecnologia. "A coragem digital será o maior legado da Covid-19 para o setor empresarial", declara.

Segundo Labriola, em uma situação normal, uma grande companhia levaria de dois a três anos para migrar milhares de funcionários para o sistema de home office. "No entanto, a urgência da adoção do distanciamento social reduziu esse tempo para até três dias, como ocorreu com os colaboradores de gestão de rede e de call center em nossa companhia."

Notícias relacionadas

O executivo diz que é preciso cobrar times "mais inovadores". Mas visualiza que já houve mudanças para um contexto mais digital e "remotizado" para o consumidor. Para ele, a parte presencial no mundo de telecom será mais um papel de "consultoria" para ofertas. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.