Entidades do audiovisual se dizem surpresas com ação do SindiTelebrasil e pregam diálogo

As principais entidades das empresas da ponta da produção do setor audiovisual divulgaram uma nota conjunta nesta sexta, 5, saindo em defesa do modelo de fomento e financiamento público do setor. O modelo está ameaçado por uma ação do SindiTelebrasil (Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal), que conseguiu uma liminar suspendendo a cobrança da "Condecine das Teles", que contribui para o fomento do Fundo Setorial do Audiovisual.

Segundo as associações, o setor vive uma fase de avanço, com diversos exemplos de um "progresso irreversível". No entanto, dizem as entidades, "tanto o pleito como a liminar concedida que suspende a contribuição afetam diretamente os recursos alocados para o fomento do audiovisual brasileiro, e colocam em eminente risco de quebra financeira e criativa dos agentes de uma indústria moderna, não poluente, que emprega mão de obra técnica especializada e gera mais de 450 mil empregos diretos e indiretos".

Notícias relacionadas

As associações propõem um diálogo para resolver diferenças e fazer "com que esse ciclo virtuoso não seja interrompido".

Assinam o comunicado a ABPITV – Associação Brasileira de Produtoras Independentes de Televisão, Abragames – Associação Brasileira de Desenvolvedoras de Jogos Digitais, Apro – Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais, Siaesp – Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado de São Paulo, Sicav – Sindicato Interestadual da Indústria Audiovisual.

Veja nota na íntegra:

COMUNICADO OFICIAL DAS ENTIDADES DA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL BRASILEIRA

Os últimos tempos foram de muitos avanços. Com envolvimento de todos os agentes do setor e amplo engajamento da sociedade, o audiovisual brasileiro tomou um caminho de sólido crescimento. Os grandes e crescentes índices de bilheteria do cinema e a previsão de 2016 como seu melhor ano em todos os tempos, as robustas audiências e o salto de qualidade dos conteúdos para a televisão, bem como o prestígio conquistado junto à indicação de uma produção nacional ao Oscar e as recentes premiações de séries brasileiras no Emmy são exemplos concretos de um progresso irreversível.

Diante desse cenário, só podemos receber com enorme surpresa uma ação judicial como a do SindiTelebrasil (Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal) que suspende a cobrança da "Condecine das Teles" que contribui para o fomento do Fundo Setorial do Audiovisual, gerido pela ANCINE – Agência Nacional do Cinema.

Desde a promulgação da Lei 12.485 do SEAC – apelidada de "Lei da TV por Assinatura", e construída por mais de uma década de diálogos entre todos os agentes do setor – o mercado audiovisual brasileiro cresceu em escala geométrica trazendo resultados inéditos em quantidade e qualidade para operadores de Telecomunicação – que também passaram a oferecer tv por assinatura e acesso digital; para programadores da tv paga – com maior oferta de conteúdo; para os distribuidores e produtores brasileiros do cinema e tv; atingindo parcela significativa da sociedade brasileira, na maior inclusão audiovisual que o País tenha conhecido.

Tanto o pleito como a liminar concedida que suspende a contribuição afetam diretamente os recursos alocados para o fomento do audiovisual brasileiro, e colocam em eminente risco de quebra financeira e criativa dos agentes de uma indústria moderna, não poluente, que emprega mão de obra técnica especializada e gera mais de 450 mil empregos diretos e indiretos. Estamos falando em mais de 5.000 empresas brasileiras produtoras de conteúdo, cinema, publicidade, documentários, programas de televisão, séries de animação, games nacionais; canais de televisão por assinatura, distribuidores, agregadores de plataformas digitais. Enfim, um mercado que representa diretamente a cultura e o talento brasileiros dentro e fora de nossas fronteiras.

O conteúdo independente brasileiro está, portanto, em todas as telas, em permanente diálogo com a sociedade. Diálogo que nos permitiu avançar até aqui e que tem sido praticado em todos os eventos, encontros de negócios, fóruns, feiras, enfim, na estratégia de todos nós. E é com o diálogo que faremos com que esse ciclo virtuoso não seja interrompido.

ABPITV – Associação Brasileira de Produtoras Independentes de Televisão
ABRAGAMES – Associação Brasileira de Desenvolvedoras de Jogos Digitais
APRO – Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais
SIAESP – Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado de São Paulo
SICAV – Sindicato Interestadual da Indústria Audiovisual

1 COMENTÁRIO

  1. Essa condecine está errada no aspecto tributário. Se quiserem ter uma CIDE para o mercado audiovisual, o ideal é tributar a receita operacional das radiodifusoras, programadoras e operadoras de TV por Assinatura, distribuidores de conteúdo audiovisual e grandes exibidores estrangeiros, na faixa de 2,5% a 3%. Isso seria uma condecine correta, mas o governo não quer comprar essa briga com os grupos de mídia e apela pra gambiarra. Esse valor da condecine da seles deveria ser utilizado para financiar a expansão da banda larga de alta capacidade, inclusive com muitos pontos gratuitos. E o ideal mesmo é que a carga tributária sobre telecom fosse reduzida.

Deixe uma resposta para Antonio C. Souza de Oliveira Filho Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.