Diretoria da TIM prepara plano industrial para triênio 2020-2022

Foto: Pixabay

Em reunião do conselho de administração realizada na terça-feira, 3, a diretoria da TIM apresentou o plano industrial da empresa para o período de 2020-2022, além de discutir a diretriz orçamentária para 2020. Em ata da reunião divulgada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), contudo, não há valores de investimento ou maiores detalhes sobre o plano, que costuma ser divulgado no começo de cada ano.

O plano industrial para o triênio foi apresentado pela diretoria da operadora, composta pelo presidente Pietro Labriola, o diretor financeiro e de relações com investidores, Adrian Calaza; o CTIO Leonardo Capdeville; e do responsável pela área de estratégia e transformação, Renato Ciuchini. Os conselheiros então discutiram as diretrizes orçamentárias da companhia que deverão ser utilizadas para o ano que vem. 

No último plano industrial da empresa, a previsão para o triênio 2019-2021 era de R$ 12,5 bilhões (R$ 500 milhões a mais do que o plano do triênio 2018-2020), especialmente com investimentos em FTTH e na melhora do mix do negócio móvel para pós-pago. Na ocasião, a TIM tinha expectativa de crescimento de receita de serviços era de 3% a 5% em moeda local durante 2019 – no último balanço financeiro, ainda referente ao terceiro trimestre, o avanço da receita de serviços no acumulado dos nove meses havia sido de 2,1%. No mesmo período deste ano, o investimento foi de R$ 2,5 bilhões. Em 2020, além dos investimentos de rotina, a operadora ainda pode ter pela frente dois desafios: uma possível oferta da Oi Móvel e, potencialmente, o leilão de 5G no segundo semestre.

Além do plano industrial, na reunião desta terça-feira os acionistas também tomaram conhecimento do plano/cronograma da companhia para adequação à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), "contendo as fases e respectivas macro atividades, incluindo os prazos estabelecidos para execução de cada uma das etapas indicadas até o advento da referida lei, prevista para o ano de 2020". 

Na ocasião, ainda foram aprovadas contratações para fornecimentos de serviços entre a Telecom Italia e a TIM, e entre a operadora brasileira e o braço de infraestrutura TI Sparkle Brasil Telecomunicações, com base em opinião favorável do conselho de administração.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.