OUTROS DESTAQUES
E-GOV
Setor público brasileiro ainda ignora dispositivos móveis, aponta pesquisa
quinta-feira, 28 de abril de 2016 , 17h08

 

Apesar da crescente penetração de dispositivos móveis no País, o setor público brasileiro ainda é reticente em fazer uso da ferramenta, conforme indica a pesquisa TIC Governo Eletrônico 2015 lançada nesta quinta, 28, pelo Comitê Gestor da Internet (CGI.br) por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br). O levantamento mostra que apenas 21% dos órgãos públicos federais e estaduais e 4% das prefeituras ofereceram aplicativos para celulares e tablets. A pesquisa foi realizada entre julho e outubro do ano passado e foi feita com 620 órgãos de todos os poderes, além de 996 prefeituras de todas as regiões do Brasil.

As prefeituras brasileiras usam mais sites adaptados para mobilidade (24%). O celular é usado também para transações e pagamentos (8%), envio de SMS para o cidadão (7%), recebimento de SMS enviado pelo cidadão (7%), apps com dados disponibilizados pela prefeitura (6%) e apps criados pela prefeitura (4%). Entre os órgãos públicos, 50% dos federais e 42% dos estaduais disponibilizaram sites adaptados. Os apps criados pelo órgão foram citados por 33% dos federais e 20% dos estaduais, sendo que os poderes que mais realizam essa iniciativa foram o Judiciário (39%) e Legislativo (34%). Os apps criados a partir de dados disponibilizados foram citados por 19% dos órgãos federais e 11% dos estaduais, enquanto o envio de SMS para o cidadão foi mencionado por 11% e 10%, respectivamente.

Em comunicado, o gerente do Cetic.br, Alexandre Barbosa, afirma que a utilização dos dispositivos móveis ainda é um desafio para o setor público, considerando que 81,5 milhões de pessoas utilizam Internet pelo celular e que 84% delas efetuam o acesso diariamente. "A ampliação desse tipo de iniciativa (uso de celulares e tablets) pode facilitar o acesso a informações e serviços públicos pelos cidadãos", diz.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
EVENTOS
Não Eventos
Top