OUTROS DESTAQUES
Fórum de operadoras alternativas
Regulamentação para MVNOs deve mudar, pedem os líderes do setor
segunda-feira, 26 de Março de 2018 , 21h25 | POR HENRIQUE MEDEIROS, DA MOBILE TIME

O desenvolvimento do mercado de operadoras virtuais móveis é visto como um segmento repleto de barreiras burocráticas e regulatórias. Este foi o consenso entre os executivos das MVNOs durante a primeira edição do Fórum de Operadoras Alternativas, promovido por Mobile Time e Teletime nesta segunda-feira, 26. Entre os problemas estão regras como nível de qualidade, gestão da base de clientes, gastos com atendimento e concorrência exagerada no mercado.

"A elevada carga tributária é um desafio. Você sai de cara com um sistema com R$ 5 milhões e isso cria uma barreira enorme para as MVNOs. É muito importante que a Anatel não se esqueça que mais da metade do mercado de IoT ainda é em 2G. Os custos são muito elevados para interconexão com outras operadoras. E temos uma dupla concorrência: com operadoras que trabalham sem licença e a concorrência com operadoras estrangeiras, e isso também merece discussão", disse Tomas Fuchs, presidente da Datora.

O tema também foi abordado por outro executivo, Luciano Santos Ferreira, consultor jurídico regulatório da Porto Seguro Conecta. Em sua visão, a regulamentação das MVNO – feita em 2010 pela Anatel – precisa ser adequada para ter mais viabilidade ao modelo de negócios, como a revisão das regras que são similares às operadoras tradicionais de telecomunicações (MNOs) para formatos mais próximos de suas realidades técnicas e estruturais.

"Ninguém tem interesse em substituir a Claro, a Oi ou a Vivo. Nós queremos tratar do nicho. Por exemplo: hoje temos 14 indicadores de qualidade que devemos cumprir como MVNO ao atingir 50 mil clientes, ou seja, nós somos obrigados a cumprir os mesmos requisitos de uma operadora comum. E uma solução antifraude custa entre R$ 400 e R$ 500 mil" , exemplificou Santos Ferreira.

"Nós trabalhamos com a adequação em números de acesso, um tratamento mais adequado para M2M, para que possa ter um modelo de negócio mais viável. Começamos a entender que esbarramos na regulamentação para crescimento, algo que precisa de adequações para ter um resultado financeiro satisfatório. Nós temos a obrigação no mercado de ser prestadora com um orçamento de uma MVNO. Ao nosso ver, carece de muito avanço (no regulatório)", completa.

Para Olinto Santana, CEO da Movvtel, o atual modelo regulatório impossibilita o negócio das MVNOs, em especial com o excesso de competição e a carga tributária elevada. Como alternativa aos problemas, além da discussão dos temas, o especialista jurídico da Porto Seguro Conecta propõe a criação de um grupo de trabalho com executivos para debater esses problemas e levar as informações aos legisladores e órgãos reguladores.

MVNOs x MNOs 

Outro tema debatido pelos executivos no painel "A vez das MVNOs" foi a concorrência entre o modelo tradicional versus o novo. Eles foram contundentes em dizer que, sim, há concorrência. Porém, a competição com Vivo, Oi, Claro e TIM é vista como esporádica, uma vez que depende de parceria e sinergia entre os dois lados. Citando o próprio exemplo, Cristiano Barata Morbach, VP de canais de Correios, disse que o intuito de oferecer esse serviço – que chegou a 111 mil chips vendidos em seu primeiro ano – é agregar.

"Tem concorrência entre operadoras e MVNO. Nós competimos com as operadoras nos grandes centros, por exemplo. Mas, olhando pelo outro prisma, de enxergar o mercado não atendido, além de agregar, trazer as opções fora do grande centro faz bem para o País. Embora não seja a visão dos Correios universalizar as telecomunicações. Nós nunca quisemos fazer o bolsa celular, queríamos criar um negócio. Mas estamos ajudando o País".

Santana, da Movvtel, lembrou que o formato da MVNO foi criado como uma alternativa para as operadoras gerarem receita ao passar parte de sua rede e base de usuários (pré-pagos) para serem exploradas por outras marcas e empresas. Essa conclusão foi alcançada com as operadoras, percebendo que não poderiam investir alto em publicidade para alcançar toda a população.

"Operadora virtual é distribuição, nosso business é distribuição, não é conteúdo. No Chile as operadoras estão matando as MVNOs, não é um problema só do Brasil. Eu não compito com a operadora. Eu agrego valor a ela", disse o CEO da MVNO conhecida por oferecer serviços de telefonia pré-paga aos evangélicos e torcedores do Corinthians. "O Brasil vende 100 milhões de chips (SIM) por ano. São 400 mil chips apenas na região metropolitana de São Paulo. Isso é um nicho de baixíssimo nível, temos que encontrar com a pessoa na calçada"

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. João Lucas Miller disse:

    Na minha visão, os executivos foram muito assertivos em suas posições. Entendo que ao falar da carga tributária, o executivo da Datora foi muito pontual, Sr. Thomas, pois, de fato, precisamos de revisão neste sentido, para uma melhoria na competição. Me chamou muito a atenção quanto a postura do executivo da Porto Conecta. Concordo plenamente com o Sr. Luciano ao falar sobre a necessidade de se ter uma interação maior entre as MVNOs e o Poder Público, com discursos e representações que levem a diante as expectativas. Se realmente este grupo de trabalho vier a existir, será um enorme avanço na interação entre as MVNOs, a ANATEL e o Poder Legislativo. Do jeito que está, não dá!

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top