OUTROS DESTAQUES
Serviços postais
Figueiredo defende reajuste das tarifas dos Correios para reverter resultados negativos
terça-feira, 17 de novembro de 2015 , 20h53

O ministro das Comunicações, André Figueiredo, defendeu nesta terça-feira, 17, a recomposição das tarifas dos Correios em 8,9% como uma das medidas para que a empresa volte a ser superavitária. Segundo ele, números preliminares da estatal apontam para um prejuízo em torno de R$ 900 milhões. Segundo o ministro, as conversas com o Ministério da Fazenda já começaram e a adoção depende um estudo conclusivo sobre se o reajuste impactará na inflação ou não.

Figueiredo disse que o reajuste só atingiria a parte de correspondências de pequeno porte, sem envolver a carta social e a parte de logística e encomendas. De acordo com ele, a alta da tarifa renderia R$ 700 milhões por ano, incidindo sobre uma base de 36 milhões de objetos/dia.

O ministro, que participou hoje da posse do novo presidente dos Correios, Giovanni Queiroz, disse que o reajuste é necessário. "Os Correios são empresa e precisam de resultados operacionais que não comprometam a sua solvência, não que os Correios estejam insolventes, mas são 120 mil famílias que vivem da empresa, que precisam ser preservadas e a responsabilidade disso é da administração, de fazer mais uma vez essa empresa superavitária", afirmou. Ele disse que os resultados negativos são resultados da crise econômica, que diminuiu a produção industrial e consequentemente, o setor de logística também foi afetado, mas reconheceu que são consequência também de débitos antigos que foram incorporados, inclusive do fundo de pensão Postalis, que apresentou déficit de mais de R$ 5 bilhões.

"Nós estamos fazendo uma série de medidas, algumas revestidas de simbolismo, como a redução dos salários da alta direção dos Correios e que não terão resultados significativos para solução dos problemas. (O problema do) fundo de pensão também precisa ser atacado. Outras medidas serão implementadas para que os Correios se modernizem", completou.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top