OUTROS DESTAQUES
Venda da Embratel
Presidente da CVM descarta risco de manobra contra minoritários
quarta-feira, 14 de Abril de 2004 , 17h41 | POR REDAÇÃO

Não há possibilidade de uma empresa que esteja vendendo sua participação em outra mascare o valor real a ser pago através de perdão ou alongamento de dívidas, ou ainda de contratos privilegiados de prestação de serviço no futuro. A informação, referente a uma possível manobra da Telmex na compra da Embratel, foi dada aos senadores da Comissão de Fiscalização e Controle nesta quarta, 14, durante audiência pública sobre a venda da operadora de longa distância, pelo presidente da CVM, Luiz Leonardo Cantidiano. Ele explicou que ao calcular o valor pelo qual determinada empresa foi vendida, a CVM analisa cuidadosamente todo o processo justamente para impedir que subterfúgios deste tipo venham prejudicar os acionistas minoritários. A explicação foi dada a partir do questionamento feito pelo senador Luiz Otávio, PMDB/PA, sobre a possibilidade de a MCI estar usando a venda da Embratel para cobrir parte da dívida que tem com a Telmex (o que é negado pela Telmex). O débito foi reconhecido pelo vice presidente da operadora mexicana, José Formoso Martinez, na audiência pública realizada na última terça, 13, na comissão de Educação do Senado. O presidente da CVM também rechaçou a possibilidade de vazamentos de informação durante o processo de venda da empresa terem favorecido algum tipo de investidor. Cantidiano explicou que a CVM tem alguns filtros eletrônicos que denunciam qualquer tipo de movimentação anormal em relação às ações cotadas na bolsa, e estes relatórios são verificados com os fatos divulgados na mídia, bem como os comunicados de fatos relevantes. No caso da Embratel, nenhuma irregularidade foi encontrada, disse ele.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top