OUTROS DESTAQUES
Serviços móveis
Vivo e Ericson desenvolvem teste para serviços de saúde em 5G
quinta-feira, 13 de setembro de 2018 , 21h50

(Matéria originalmente publicada por Mobile Time)  A Vivo apresentou uma solução de telemedicina baseada em 5G nesta quinta-feira, 13. Feita em parceria com a Ericsson, a demonstração consistia de um treinamento de cirurgião feito à distância com óculos de realidade virtual e braço robótico para fazer a incisão, ambos conectados à rede da operadora.

"Esta é uma solução real em saúde. Com o 5G ela tem não apenas velocidade de rede em Gbps, mas têm baixa latência – entre 3 e 5 ms. E, para a medicina, quanto mais baixa a latência, melhor o retorno tátil na experiência do braço robótico", explicou Marcos Scheffer, vice-presidente da Ericsson. "A demo mostra o treinamento do cirurgião, mas também pode ser aplicado em casos reais. Já estamos estudando a solução com o King's College, de Londres".

No teste feito dentro do prédio do Teatro Vivo, Zona Sul de São Paulo, foi possível simular uma cirurgia. Em um ambiente virtual, o sistema tinha orientador e aluno, ambos com óculos VR e braços robóticos. O professor guiava o teste e passava o comando da mesa de operação virtual para o discente. A velocidade de acesso variava entre 25 e 28 Gbps.

A demonstração também serve para mostrar o caminho que a Vivo busca no 5G, como explicou Átila Branco, diretor de planejamento de redes da operadora: "Fizemos vários testes com 5G, mas o mais importante é que estamos indo para o caminho certo. O 5G não funciona sem fibra, sem backbone, no backhaul, chegando às estações, e sem virtualização de rede. Por isso, estamos estruturando nosso núcleo de rede com essas tecnologias para conseguirmos entregar um network slice (fatiamento de rede, várias redes lógicas em cima de uma rede física), que será usado no 5G para diferentes entregas de serviços."

Entre essas estruturas, a Vivo instalou seus datacenters junto à Ericsson. Nesses equipamentos, a companhia já utiliza aplicações de núcleo de rede para voz e funções virtualizadas de rede (VNF). No teste em si, a tecnologia usada tinha computadores com alto processamento de vídeo, óculos de realidade virtual, braços robóticos, aplicação de VR em Unix e a infraestrutura de rede: célula 5G sob um espectro de 28 GHz.

Scheffer ressaltou que o uso do 5G pode ajudar não apenas a área de saúde, mas também áreas da indústria 4.0 e vídeo 4K. Lembra ainda que, assim como nas telecomunicações norte-americanas, a quinta geração da Internet também pode ser usada para a expansão da banda larga fixa, como revelou recentemente a Verizon.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
EVENTOS
Não Eventos
Top