OUTROS DESTAQUES
Política industrial
Abinee quer desoneração tributária
terça-feira, 04 de março de 2008 , 21h03 | POR ERIVELTO TADEU

A Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) apresentou nesta terça-feira, 4, o documento com as propostas para a formulação da política industrial que deve ser anunciada pelo presidente Lula em meados deste mês. Em linhas gerais, a entidade defende medidas de desoneração da carga tributária dos produtos eletroeletrônicos e da mão-de-obra para reduzir o custo do investimento e estimular a produtividade e a competitividade das empresas nacionais do setor
As medidas da política industrial devem ser voltadas ao incentivo à produção, com medidas de desoneração da carga tributária dos produtos eletroeletrônicos e da mão-de-obra para reduzir o custo do investimento e estimular a produtividade e a competitividade das empresas nacionais do setor.
Essa, em linhas gerais, é a síntese do documento intitulado ?Propostas para uma nova Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (Pitce)?, que foi entregue ao governo como contribuição para a formulação da política industrial que deve ser anunciada pelo presidente Lula em meados deste mês, logo após a votação no Congresso da Lei Orçamentária.

Garantia de competitividade

Com a projeção de que o déficit do setor deve atingir a casa dos R$ 20 bilhões neste ano, a Abinee defende uma política industrial que garanta condições de competitividade iguais às de outros países. De acordo com o empresário Humberto Barbato, presidente da entidade, a indústria eletroeletrônica brasileira já fez o que podia para contornar o real valorizado e continuar exportando. "Fico surpreso como a indústria conseguiu e consegue sobreviver até o momento?, disse ele, ao salientar que agora é hora de o governo adotar medidas para estimular o setor.
A avaliação do assessor econômico da Abinee, Carlos Eduardo Cavalcanti, é de que a valorização do real frente ao dólar continuará. Por isso, diz, a redução da carga tributária seria uma forma de compensar o setor. Ele usa como argumento projeções que indicam que a moeda norte-americana termine o ano cotada a R$ 1,50.
No documento, a Abinee propõe medidas de curto, médio e longo prazo para cada segmento da indústria. Segundo Barbato, na proposta não é pedida nenhuma proteção para o setor, mas condições de igualdade. "Um setor que tem déficit crônico, como o nosso, tem a obrigação de apontar para o governo as oportunidades de ocupar esse mercado", afirmou o empresário.
Embora diga que o documento afasta, de uma vez por todas, a idéia de que política industrial é sinônimo de gasto tributário, ou seja, de um maior volume de incentivos fiscais, grande parte da proposta apresentada pela Abinee ao governo defende medidas para desonerar a folha de pagamento e reduzir a carga tributária para as empresas. No caso da folha, Barbato frisa que não se trata de abdicar de direitos trabalhistas, mas de dar maior racionalidade aos tributos. "A linha mestra desse documento é que a indústria instalada no Brasil possa ter o seu investimento devidamente remunerado ", disse ele

Novo processo produtivo

A proposta também defende a idéia de se criar um Processo Produtivo Avançado (PPA), em substituição ao Processo Produtivo Básico (PPB). O propósito é estimular o uso de conteúdo local na fabricação de componentes por meio da redução do Imposto de Importação na compra de matérias-primas, do PIS e Cofins sobre o faturamento das empresas e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre o produto final. A Abinee reclama do fato de que a importação de insumos cujo uso não é exclusivo da indústria eletroeletrônica muitas vezes tem tributação superior à de produtos finais importados.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
EVENTOS
Não Eventos
Top