Setor público brasileiro ainda ignora dispositivos móveis, aponta pesquisa

 

Apesar da crescente penetração de dispositivos móveis no País, o setor público brasileiro ainda é reticente em fazer uso da ferramenta, conforme indica a pesquisa TIC Governo Eletrônico 2015 lançada nesta quinta, 28, pelo Comitê Gestor da Internet (CGI.br) por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br). O levantamento mostra que apenas 21% dos órgãos públicos federais e estaduais e 4% das prefeituras ofereceram aplicativos para celulares e tablets. A pesquisa foi realizada entre julho e outubro do ano passado e foi feita com 620 órgãos de todos os poderes, além de 996 prefeituras de todas as regiões do Brasil.

Notícias relacionadas

As prefeituras brasileiras usam mais sites adaptados para mobilidade (24%). O celular é usado também para transações e pagamentos (8%), envio de SMS para o cidadão (7%), recebimento de SMS enviado pelo cidadão (7%), apps com dados disponibilizados pela prefeitura (6%) e apps criados pela prefeitura (4%). Entre os órgãos públicos, 50% dos federais e 42% dos estaduais disponibilizaram sites adaptados. Os apps criados pelo órgão foram citados por 33% dos federais e 20% dos estaduais, sendo que os poderes que mais realizam essa iniciativa foram o Judiciário (39%) e Legislativo (34%). Os apps criados a partir de dados disponibilizados foram citados por 19% dos órgãos federais e 11% dos estaduais, enquanto o envio de SMS para o cidadão foi mencionado por 11% e 10%, respectivamente.

Em comunicado, o gerente do Cetic.br, Alexandre Barbosa, afirma que a utilização dos dispositivos móveis ainda é um desafio para o setor público, considerando que 81,5 milhões de pessoas utilizam Internet pelo celular e que 84% delas efetuam o acesso diariamente. "A ampliação desse tipo de iniciativa (uso de celulares e tablets) pode facilitar o acesso a informações e serviços públicos pelos cidadãos", diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.