Modelo da Anatel corre sérios riscos, diz executiva da Embratel

A vice-presidente da Embratel, Purificación Carpinteyro, disse durante a Telexpo que a Anatel agiu tardiamente na elaboração das regras de abertura do mercado de STFC, e que a desigualdade entre as incumbents locais e as operadoras de longa distância coloca em risco o modelo de privatização do setor. Segundo ela, a incumbent de longa distância, além de investir na antecipação de metas e na obtenção da licença, têm de implementar acessos locais, negociar contratos de interconexão com as demais operadoras e obter recursos de numeração. Em contrapartida, as operadoras locais necessitam apenas da antecipação e de uma nova licença para concorrer na longa distância. Esta diferença pode resultar em um atraso de seis meses para a Embratel no mercado local em relação à entrada da concorrência na longa distância inter-regional e internacional. "As regras deveriam estar prontas de tal forma que a concorrência começasse em janeiro deste ano, com todas as operadoras saindo ao mesmo tempo", reclama Purificación.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.