Governo diz que orçamento o impede de cumprir lei que direciona uso do Fust para escolas

Foto: Pixabay

A Advocacia Geral da União (AGU) protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI), com pedido de liminar contra a Lei 14.172/2021, que determina que a União repasse R$ 3,5 bilhões do Fust (Fundo de Universalização das Telecomunicações) para estados e municípios garantirem o acesso à internet para alunos e professores da educação básica pública. A ADI 6926 foi distribuída para o ministro Dias Toffoli.

Esse é o segundo round do governo contra este texto. No primeiro, Jair Bolsonaro vetou na íntegra a proposta. O veto foi derrubado pelo Congresso em junho. Agora, o governo age mais vez contra o texto, pedindo que ele seja declara inconstitucional.

Na inicial, a AGU alega que a imposição imposta pela lei foi editada à revelia de importantes regras do processo legislativo, como a iniciativa reservada do Presidente da República para legislações que interfiram nas atribuições dos órgãos do Poder Executivo.

Notícias relacionadas

Na visão da AGU, a lei viola as condicionantes fiscais para expansão de ações governamentais no curso da atual pandemia, fixadas tanto nas Emendas Constitucionais no 106/2020 e 109/2021 quanto na Lei Complementar no 173/2020, e desrespeita o limite de gastos estabelecido pela Emenda Constitucional no 95/2016 (PEC do Teto de gastos), interferindo na estruturação e custeio de ações governamentais de acesso à educação adotadas no contexto da pandemia.

Medida ineficiente

"Sob outro ângulo, a simples determinação de transferências vultosas de verbas públicas para a contratação de serviços de internet para os alunos da rede pública não é a medida mais eficiente para garantir o referido acesso, especialmente diante das fracas contrapartidas estabelecidas na lei questionada", argumenta a AGU no pedido ao STF.

O órgão diz ainda que a lei apresenta uma clara ofensa aos ao princípio da razoabilidade e da proporcionalidade, pois, na visão do governo, é inviável a operacionalização, no prazo de 30 (trinta) dias, das medidas administrativas necessárias para efetivar o modelo de transferências estabelecido pela lei impugnada.

Por fim, a AGU aponta que a liberação de recursos sem o estabelecimento de contrapartidas fortes é uma política pública ineficiente, que gera elevado risco de má aplicação de verbas federais.

Fontes

A Lei 14.172/2021 retira recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust), para financiar as iniciativas de Internet dos estados e municípios direcionadas a professores e alunos da rede publica.

Além do Fust, a lei prevê como fontes de recursos para conectar estudantes e professores da rede básica de ensino dotações orçamentárias da União e o saldo correspondente a metas não cumpridas dos Planos Gerais de Metas de Universalização (PGMU) firmados entre o poder público e as concessionárias do Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.