Inadimplência é inevitável, diz presidente da Hughes Brasil

Para o presidente da Hughes Brasil, Rafael Guimarães, a inadimplência no pagamento do serviço de Internet por meio de satélite por conta da crise econômica e da pandemia do coronavírus (covid-19) é inevitável e um ponto de preocupação. Além do impacto na receita da empresa, há ainda a possibilidade de alterações legislativas que obriguem operadoras a manterem o serviço mesmo sem o pagamento dos clientes. 

"Quando tudo isso começou, uma grande preocupação que tínhamos era a inadimplência. Primeiro porque as pessoas perdem o emprego e ficam sem renda. E o segundo motivo é que toda a hora sai alguma decisão de que serviço de telecom não pode cortar inadimplente, e aí caça-se a liminar… Já tivemos caso de assinante dizendo que não precisava pagar", declarou o executivo ao TELETIME. "Principalmente em telecom, a empresa não aguenta, tem que sair do bolso de alguém."

Por enquanto, as coisas continuam em conformidade para a Hughes Brasil. "Não vimos a inadimplência mudar de patamar. Talvez a Hughes tenha um perfil diferente de cliente", declara.

Entretanto, Guimarães entende que a falta de pagamentos pelos clientes acabará por impactar a companhia, uma vez que o desemprego vem aumentando. "Me parece inevitável que isso vá bater na inadimplência." Por outro lado, ele afirma ser um alento que a Internet tenha virado um serviço considerado essencial durante o período de quarentenas e lockdowns. 

Atendimento

Segundo Guimarães, além do trafego, houve um grande impacto da covid-19 na central de atendimento. Ele diz que foi registrado um aumento no absenteísmo dos profissionais. Diante de tudo isso, a empresa resolveu migrar o atendentes para o trabalho remoto. "No nosso caso, foi uma quebra de paradigma, com muita gente trabalhando em casa. Não é simples. Tem que ver se a casa dele tem ambiente adequado. São coisas que extrapolam a tecnologia", afirma. "É um aspecto que estamos melhorando, mas no primeiro mês estava ruim. A capacidade de atendimento diminuiu muito."

Ao contrário do mercado norte-americano, onde a operadora tem uma maior adesão de ferramentas de autoatendimento, no Brasil o cliente da Hughes teria uma preferência pelo atendimento humano. "Temos um portal e aplicativo nos quais a maioria das requisições podem ser resolvidas. É questão cultural, para que o usuário de ligar e usar mais o app", conta. A empresa tem "investido muito" nessa área nos últimos 12 meses, com investimento também em mensageria por meio de SMS e, de forma experimental, com WhatsApp.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.