OUTROS DESTAQUES
Estratégia
TIM projeta aporte de R$ 12,5 bilhões e 4 milhões de domicílios com FTTH até 2021
quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019 , 18h23

[Atualizado em 26/02] Em fato relevante divulgado nesta quinta-feira, 21, a TIM publicou o plano industrial para o triênio 2019-2021. A meta principal da companhia, segundo informou a Telecom Italia, é a de expandir o mix de pós-pago em relação à base, saindo dos atuais 36% para cerca de 50%. Além disso, espera crescimento de 25% nas receitas B2B, e alcançar 1,2 milhão de clientes com a banda larga fixa em fibra. A expectativa é que as receitas de serviço deverão crescer entre 3% e 5% em moeda local em 2019, com avanço também em cerca de 5% tanto em 2020 quanto em 2021. O EBTIDA brasileiro deverá crescer com dígito único em 2019, com meta de 40% de margem para 2020 confirmada.

Para tanto, a empresa projeta para o triênio investimentos da ordem de R$ 12,5 bilhões focados no aprimoramento da capacidade móvel e em na expansão da infraestrutura em backbone e backhaul de fibra que possibilite 4 milhões de domicílios com FTTH em três anos, frente 1,1 milhão atuais.

A companhia também divulgou uma revisão do plano estratégico trienal de 2018-2020 (seguido ao da Telecom Italia, que controla a operadora brasileira). A cifra de R$ 12,5 bilhões representa aumento de R$ 500 milhões frente a projeção anterior da TIM. Conforme balanço trimestral, a empresa aportou R$ 3,997 bilhões no ano passado, ou queda de 4,1%.

No caso da receita de serviços, a projeção de crescimento no curto prazo foi revisada para baixo, ficando entre 3% e 5%, contra entre 5% e 7% do plano estratégico anterior. Para o segmento móvel, a empresa prometeu uma evolução contínua de canais digitais (com interações crescendo em mais de 12 milhões até 2021), a aceleração da migração para o pós-pago e iniciativas de fidelização para redução do churn mensal. A TIM ainda projeta uma revisão da proposta de valor para ganhar relevância no segmento B2B móvel.

A companhia vê potencial até 2021 de cerca de R$ 1 bilhão e mais de 30 milhões de linhas no mercado de Internet das Coisas (IoT). Ela também espera capturar receitas como provedora de plataformas de analytics ou de publicidade móvel, além de agregar mais conteúdo em produtos fixos ou móveis.

A meta de atingir patamar de 40% de margem EBTIDA em 2020 foi mantida, bem como a elevação do indicador EBTIDA-investimento sobre receita para cerca de 20%. Outros objetivos mencionados foram o aperfeiçoamento de modelos de gerenciamento de risco e a otimização da dívida e fiscal.

 

 

"Esta atualização ocorre após um ano com resultados bastante positivos, tendo a Companhia demonstrado sua resiliência e capacidade de execução para atingir os objetivos de curto prazo do Plano 2018-2020, mesmo em meio a um ambiente externo desafiador", comentou a empresa no fato relevante enviado a CVM. Segundo a operadora, o ano passado foi marcado por "uma recuperação macroeconômica mais lenta do que a inicialmente projetada pelo mercado em geral e pela TIM, somada a um ambiente competitivo mais acirrado".

COMENTÁRIOS

3 Comentários

  1. Avatar José Luiz De Martini disse:

    Tem coisas que a gente não entende. Na minha região a TIM trouxe e tecnologia fazem alguns anos, mas nunca ofereceu ou conectou nenhum assinante. Depois falam em investir. Dinheiro sem competencia não leva a nada, salvo prejuizos. (cep 06429 – Barueri SP)

  2. Avatar Paulo disse:

    Tem erro nessa matéria aí, de onde foi tirado esse número de 600 cidades com banda larga FTTH LiveTim. Que eu saiba ela só está presente em 5 cidades.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
EVENTOS
Não Eventos
Top