OUTROS DESTAQUES
Mercado
Após nova etapa da troca de ações, Nokia passa a deter 91% do capital da Alcatel-Lucent
quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2016 , 17h01

Com a segunda etapa da oferta pública de troca de ações concluída, a autoridade de mercado francesa AMF (Autorité des Marchés Financiers) publicou nesta quarta-feira, 10, mais um resultado da transação da aquisição da Alcatel-Lucent pela Nokia. Como consequência, a companhia finlandesa passará a deter 91,25% do capital em ações da ALU, além de pelo menos 91,17% em direitos de voto, 99,62% em títulos conversíveis (OCEANE) com vencimento em 2018; 37,18% dos títulos de 2019; e 68,17% dos títulos de 2020. Isso equivale a 88,07% do capital da ALU em base diluída.

Após o período de reabertura da oferta na próxima sexta-feira, 12, a Nokia converterá os títulos OCEANE. Consequentemente, ficará com 92,34% do capital e pelo menos 92,26% dos direitos a voto na Alcatel-Lucent. No dia 24 deste mês, o programa de American Depositary Shares (ADSs) da ALU será descontinuado. Com o registro no órgão regulador finlandês, a Nokia totalizará 5.769.443.837 ações, com as negociações abertas na Nasdaq Helsinki e na Euronext de Paris em 15 de fevereiro. As novas ADSs da Nokia deverão ser registradas em nome das antigas ADSs da Alcatel-Lucent no dia 12.

A Nokia também anunciou que um total de US$ 1,85 bilhão em senior notes da subsidiária norte-americana Alcatel-Lucent USA (compreendendo títulos com vencimento em 2017 e 2020) foram resgatados pela empresa. A transação é parte do programa de otimização da estrutura de capital, que prevê uma reestruturação de US$ 7 bilhões em 29 de outubro deste ano e a redução de US$ 2 bilhões em passivos remunerados. A companhia informou ainda ter encerrado na terça, 9, uma linha de crédito rotativo da ALU de 504 milhões de euros.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top