OUTROS DESTAQUES
Conteúdos
Net e Globo acreditam que suas ofertas sob-demanda estão atingindo ao objetivo de atender novos hábitos do consumidor digital
segunda-feira, 09 de novembro de 2015 , 20h03

Tanto a maior operadora de TV por assinatura do Brasil, a Net, quanto a TV Globo reconhecem que existe uma mudança significativa de comportamento do consumidor de produtos audiovisual digitais, mas ambas acreditam que as respostas que estão sendo dadas pelos dois setores é suficiente para responder a essa nova demanda. Essa foi a mensagem de uma mesa sobre conteúdos sob-demanda realizada no TelasFórum, evento organizado espata semana pela Converge e pela SP Cine.

Fernando Magalhães, principal executivo responsável pela contratação de conteúdos da América Móvil disse que a TV da sala de estar ainda é a plataforma preferida de consumo de conteúdos sob demanda, e por isso o serviço de VOD da Net, o Now, teve o sucesso alcançado. Segundo ele, um percentual significativo dos usuários da Net hoje já tem acesso aos serviços sob demanda. Segundo informações de mercado, a Net comercializaria entre 2,5 milhões e 3 milhões de conteúdos transacionais por mês, número que Magalhães não confirma, mas segundo ele uma parcela muito grande dos usuários da operadora já consome conteúdos on-demand, tanto os transacionais (pelos quais é cobrado um adicional a cada compra) quanto aqueles que estão disponíveis no modelo de catch-up (ou seja, já estava disponíveis na oferta de canais lineares e podem ser assistidos de maneira não-linear)

A Net tem como estratégia melhorar a curadoria de alguns conteúdos específicos e oferecer séries específicas de títulos de um mesmo diretor ou artista, ou ainda lançar listas de filmes recomendados por especialistas e formadores de opinião. "Dentro de um universo de 30 mil títulos que temos hoje, esse tipo de recomendação é necessária e as pessoas se surpreendem ao descobrir o que está disponível.

Para o diretor de mídias digitais da TV Globo, Eric Bretas, o lançamento do Globo Play, há uma semana, é uma resposta da TV Globo a essa demanda dos usuários, mas não é uma iniciativa isolada. "A TV Globo tem iniciativas de conteúdos distribuídos em mobile e pela Internet desde a Copa do Mundo de 1998", lembrou. para ele, a diferença do Globo Play para as iniciativas anteriores é a universalidade de plataformas, de smartphones a TVs conectadas. Ele diz que na primeira semana o Globo Play teve mais de um milhão de downloads nas lojas de aplicativos e que a curta experiência do produto já mostra que dois terços da audiência vem de dispositivos móveis, seja pelo app, seja pelo acesso pelo browser usando um dispositivo móvel.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top