OUTROS DESTAQUES
Mercado
Anatel aprova volta da TI e SMP da Brasil Telecom
quinta-feira, 15 de Janeiro de 2004 , 20h04 | POR REDAÇÃO

A Anatel anunciou nesta quinta, dia 15, sua decisão sobre todas as pendências envolvendo a Brasil Telecom. Como já se especulava, todas as pendências foram solucionadas. A tele ganhou a sua certificação de metas cumpridas e, com isso, a licença de longa distância em todo o Brasil, além da autorização para telefonia local nas outras regiões do PGO. Também ficou determinado pelo conselho da Anatel que a superintendência de serviços privados libere o uso das radiofreqüências para que a BrT inicie suas operações móveis.
Outro ponto polêmico também aprovado foi o retorno da Telecom Italia ao grupo de controle da Solpart (principal acionista da Brasil Telecom Participações S/A). Nesse caso, entretanto, há restrições: em um prazo máximo de 18 meses, Telecom Italia e Brasil Telecom deverão resolver as pendências relativas à superposição de outorgas de longa distância e telefonia móvel. Durante esses 18 meses, até que se resolva a pendência, a Telecom Italia não pode participar das decisões referentes a esses dois assuntos nas reuniões da Solpart. Se não houver consenso após esse período, pode haver até a intervenção na empresa. Ludgero Pattaro, diretor de relações institucionais da Telecom Italia para a América Latina, achou que a decisão foi boa. Para ele, 18 meses é prazo suficiente. Ele disse que a Telecom Italia tem o maior interesse em acertar essa situação e quer "que a Brasil Telecom continue a ser uma grande empresa", já que voltará a ter 38% do capital votante da Solpart. A Timepart reduzirá a sua participação dos atuais 62% para 51% e a Techold deve ficar com cerca de 11% (contra os 19% de hoje), como era antes do acordo de acionistas de setembro de 2002. As restrições são provisórias e precisam ser decididas em definitivo em 18 meses.
A decisão foi voltada para o interesse público, disse o vice-presidente da Anatel, Antônio Valente. "Não teria sentido impedir a sociedade de ter novas prestadoras de peso", disse. Perguntado se a Anatel não deveria, para evitar o conflito, ter vetado a operação de compra da licença de SMP pela Brasil Telecom em 2002, Valente disse que o acordo de acionistas não dizia textualmente que a Telecom Italia voltaria. "A volta era uma hipótese, e a Anatel não poderia barrar a operação por conta de uma hipótese", explicou.

SCD

Na mesma reunião do Conselho Diretor que aprovou as pendências da BrT, nesta quinta, a Anatel também aprovou para consulta pública o Plano Geral de Outorgas (PGO) e o Plano Geral de Metas de Universalização (PGMU) do Serviço de Comunicações Digitais (SCD). Os detalhes dos dois documentos devem ser divulgados nesta sexta, 16.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top